Uma cena intrigante

Dom Jacinto Bergmann. Foto: Divulgação

Já estava com o meu artigo semanal praticamente elaborado, quando hoje (quinta-feira, 16 de setembro) deparei-me com o trecho do Evangelho que a Igreja oferece para a Liturgia Eucarística da Memória hodierna dos mártires São Cornélio (viveu de 211 a 253 e foi Pontífice) e São Cipriano (viveu de 210 a 258 e foi Bispo). Deixei-me intrigar pela cena descrita no trecho do Evangelho e o resultado dessa cena intrigante é a minha reflexão que ora partilho nesse artigo. (Uso o significado de intrigante como adjetivo – “que desperta curiosidade”, “que surpreende”, “que faz querer entender…”).

A cena inicia com um fariseu que convida Jesus para uma refeição em sua casa. Jesus entra na casa do fariseu e põe-se à mesa. Já começa intrigante o convite desse fariseu a Jesus para uma refeição e ele aceitando o convite, marcando presença e colocando-se à mesa. Como é possível um convite de um fariseu a Jesus e como é possível a aceitação da parte de Jesus ao convite? Como podem sentar-se junto à mesa um fariseu e Jesus, uma vez que os fariseus não aceitavam a ele e ele tantas vezes os criticando fortemente pela sua hipocrisia?

A cena cresce intrigantemente quando certa mulher, conhecida na cidade como pecadora, sabendo que Jesus estava à mesa na casa do fariseu, porta um alabastro de perfume e entra na casa, fica por detrás de Jesus e provocando uma “cena” deveras intrigante: chora aos pés de Jesus, com as lágrimas começa a banhá-los, enxuga-os com os cabelos, cobre-os de beijos e os unge com o perfume. Como é possível uma mulher pecadora invadir uma refeição familiar, intrometendo-se na intimidade da refeição? Como explicar seus atos tão estranhos para o momento e ambiente: Entrar na casa, postar-se por detrás do convidado, chorar aos seus pés, enxugá-los com os cabelos e ungi-los com o perfume que tinha levado consigo? Tudo da mulher não estava fora do lugar e da hora?

A surpresa toma conta do fariseu, quando ele vê o espetáculo proporcionado pela mulher e com razão fica pensando: “Se este homem fosse profeta, saberia que tipo de mulher está tocando nele, pois é pecadora”. Como é possível esses dois extremos se encontrarem: o profeta, “o certo e puro” e a mulher, “o errado e impuro”, e isso em sua casa como anfitrião?

Jesus, com afã de explicar algo deste espetáculo, conta a parábola dos dois devedores de um credor: um foi perdoado pela dívida de quinhentas moedas de prata e outro pela dívida de cinquenta. E Jesus, então, lança a pergunta intrigante: “Qual dos dois devedores amará mais o credor?” Diante da resposta do fariseu: “Acho que é aquele ao qual perdoou mais”, Jesus deixa o seu comentário: “Tu julgaste corretamente!” Não é intrigante esse comentário de Jesus? Como é possível julgar corretamente e não agir corretamente?

Foi então que Jesus, na casa do fariseu sentado à mesa com ele, simplesmente (aparentemente mal agradecido pelo convite e responsável por permitir o espetáculo feito pela mulher) ainda “critica” o fariseu. Tudo o que a mulher fez, ele não fez: Nada de água para lavar os pés, nada do beijo de saudação e nada de óleo derramado na cabeça. E conclui categoricamente: “Os muitos pecados que ela cometeu estão perdoados porque ela mostrou muito amor. Aquele a quem se perdoa pouco mostra pouco amor”. Como é possível Jesus ser tão transparente e honesto a tal ponto de colocar o fariseu anfitrião em “maus lençóis”? Arranca dele a verdade do amor e do perdão e a verdade do perdão e do amor, e isso, com uma crítica a uma certa hipocrisia do próprio anfitrião: “Julgas corretamente, mas não ages corretamente”.

A cena acima é deveras intrigante. Não pretendo tirar o seu caráter intrigante. Ao contrário, deixo-a intrigar a minha vida e missão. Por que também não ousar pedir aos leitores de se deixarem envolver no “intrigante” desta cena?

 

Dom Jacinto Bergmann, Arcebispo Metropolitano da Igreja Católica de Pelotas

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome