Nasce um novo bairro em Pinheiro Machado

Empreendimento Residencial Parque das Acácias fica em área nobre do município (Foto: Blog Dicacimbinhas)

Localizado na rua Artur Costa e Silva, área nobre do município de Pinheiro Machado, o empreendimento Residencial Parque das Acácias tem seu foco voltado à comercialização de terrenos. O projeto conta com 159 terrenos e toda infraestrutura necessária para a construção de novas moradias na cidade. O gerenciamento, bem como toda a parte operacional do projeto do Residencial Parque das Acácias, é realizado pela Comercial Garcia e Souza, empresa genuinamente pinheirense, que tem à sua frente os sócios Paulo Solon Souza e Rafael Camacho Garcia.

“Uma oportunidade para cerca de 700 pessoas, que sonham em adquirir uma nova residência em local bem estruturado e localizado”, dizem os empreendedores ao ressaltar as vantagens do projeto.

Entre outros benefícios do local eles citam a arborização. No processo ambiental, a primeira etapa está concluída, através do plantio de árvores nativas e frutíferas. A segunda etapa prevê o plantio e a arborização do loteamento. Além dos terrenos, o local conta com área verde com 120 mudas de árvores frutíferas nativas como Pitanga, Araçá e Goiaba. Na frente de cada lote haverá ainda arvores de Ipês amarelo e roxo.

A RGS Empreendimentos, responsável pela gestão, até o momento, do projeto do Residencial, deu início aos processos de licenciamento e estudos de viabilidade, após a cessão da área pela família Garcia.

Os sócios destacam a participação das Secretarias Municipais de Obras e Meio Ambiente na concessão da licença prévia, primeira autorização realizada pelo setor de Meio Ambiente do município. “Uma vez concedida a viabilidade elétrica e de água, o município concedeu a licença prévia ambiental”.

Cumpridas estas etapas, o empreendimento recebeu a licença de instalação, o que permite algumas fases operacionais dentro do projeto. “Concluídas as fases de energia, saneamento, infraestrutura de meios fios e calçamento foi recebida uma licença de operação que permite a emissão de certidões no município e a documentação para ser encaminhada ao cartório para escrituração da área”.

Outro ponto destacado pela dupla foi a questão social. “É claro que nós como empreendedores e investidores, sabemos que temos o resultado financeiro no final, mas existe dentro do município uma grande questão social”. Após avaliação, concluíram ser Pinheiro Machado totalmente aceitável para receber o empreendimento. “Os retornos financeiros passam a surgir a partir de 2020 e a possibilidade de construção civil não deixa de ser válida”.

Iniciado em outubro de 2016, o processo segundo os proprietários foi considerado demorado devido aos trâmites, aprovações e execuções. “Toda a gestão foi feita pela Comercial Garcia e Souza e o poder público colaborou com a parte de licenciamento”. A expectativa, segundo Solon, observada pelas visitas e telefonemas, é de uma boa aceitação devido à necessidade de empreendimentos novos na cidade, considerando a realidade do município. “Por se tratar de uma cidade tradicional, alguns projetos não eram permitidos anteriormente”, diz. Neste novo projeto, as calçadas possuem três metros e a rua dez metros de largura, diferentemente das ruas criadas há décadas atrás. “Temos a felicidade de poder planejar o processo todo na área, para oferecer um espaço diferenciado e num futuro bem próximo teremos um novo bairro em Pinheiro”, projeta Solon.

O prefeito José Antônio Rosa comemorou o empreendimento, e disse ser uma vitória tanto para os empreendedores, poder público e principalmente para a comunidade, que acaba de receber um serviço de qualidade em moradia e infraestrutura moderna com a finalidade de modernizar a cidade.

Outro ponto destacado e comemorado pelo gestor foi o licenciamento ambiental, realizado integralmente pela equipe da prefeitura, através da Secretaria de Agropecuária e Meio Ambiente. “Fico feliz também que os vereadores puderam compreender da necessidade de adequação da legislação que desse condição para que o empreendedor pudesse apostar as suas fichas em nossa cidade, pois anteriormente não tínhamos uma legislação que pudesse desenvolver esse tipo de projeto”, destacou o prefeito.

Ele ressaltou, ainda, que o poder público se encarregou de todas as etapas para viabilizar o licenciamento, desde as licenças prévias, de instalação e de operação. Outro ponto viabilizado pelo poder público foi a aprovação, através da Câmara de Vereadores, da legislação que prevê além da modernização e facilidade para colocar o empreendimento em prática, oferece ao investidor a isenção de IPTU pelo período de até três anos após a realização da Licença de Operação (LO).

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome