Servidores da segurança pública fazem manifestação em Pelotas

Manifestação, concentrada no Chafariz Três Meninas, com destino à Câmara de Vereadores (Foto: Vitória Leitzke/JTR)

Em luta pelos direitos dos servidores da segurança pública, além dos salários atrasados, na última terça-feira (8) policiais civis, militares e bombeiros de diferentes regiões do estado realizaram manifestação pelo Centro de Pelotas. A caminhada teve como destino a Câmara de Vereadores para reunião com o presidente da Casa.

Segundo o presidente da Associação dos Sargentos, Subtenentes e Tenentes da Brigada Militar e Bombeiros Militares do RS (Asstbm), Aparício Santellano, a preocupante situação interfere no trabalho do policial. “O motivo [da manifestação] é em razão das medidas que nosso governador está apresentando, de retirada de direitos, além do atraso de salários e a gente vê que o servidor fica pressionado com problemas de administrar sua família, e com essa preocupação, o policial não vai ter um bom trabalho lá na frente”, desabafa.

“Esperamos a sensibilidade do governador. Estamos viajando pelo estado para que ele se sensibilize e não afete mais os profissionais e suas famílias. Hoje temos salários atrasados há 45 meses, dois meses sem pagar o salário, o pessoal está tendo que fazer adiantamento no banco. O governador foi eleito dizendo que era apenas um ajuste de caixa e até o momento ele não disse ao que veio”, afirma.

Para o presidente da Associação Beneficente Antônio Mendes Filho da Brigada Militar (Abamf), José Clemente Corrêa, o Rio Grande do Sul é o estado com o maior índice de suicídio entre policiais militares. Conforme dados do Ministério da Saúde, são 10,3 casos a cada 100 mil habitantes. “Estamos vendo manifestações do governo que vem de encontro com o que a sociedade precisa, que é a segurança pública, nós que prestamos este serviço, com o sacrifício da própria vida”, diz Corrêa. “Cerca de um milhão de gaúchos já saíram do estado porque ninguém se sente seguro”, acrescentou o coronel da Brigada Militar (BM) do estado, Marcos Beck.

Segundo o vereador Marcos Ferreira, o Marcola (PT), a Câmara de Vereadores vai fazer a votação de moções de apoio ao movimento da segurança, quanto ao projeto do desmonte apresentado pelo governador do Estado. “Iremos abrir espaço aqui para manifestação na sessão da Câmara na próxima quinta-feira (10). Temos que lutar pela segurança pública”, finaliza.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome