Especial JTR: Emater e produtores desenvolvem atividades para promover o turismo e a cultura em Turuçu

Chefe do Escritório Municipal, Alessandra Storch, com as extensionistas rurais Janaína Silva da Rosa e Mariane Silva dos Santos (Foto: Divulgação)

As tradições doceiras de Pelotas e Antiga Pelotas, formada pelos municípios de Arroio do Padre, Capão do Leão, Morro Redondo e Turuçu, foram reconhecidas e certificadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como Patrimônio Cultural Brasileiro.

Após um ano deste reconhecimento, acontecerá neste final de semana, durante a Festa do Morango e da Pimenta de Turuçu, no Pavilhão da Agricultura Familiar, o 1º Festival do Doce Colonial, uma parceria da Emater com as agroindústrias. Conforme a chefe do Escritório Municipal Emater/RS-Ascar e médica veterinária, Alessandra Storch, o objetivo é mostrar aos visitantes a origem desses produtos tradicionais produzidos pelas agroindústrias do município, cadastradas no Programa Estadual de Agroindústria Familiar, sem esquecer do toque da pimenta, um dos símbolos turuçuenses.

O festival é uma das iniciativas que visam desenvolver o turismo no município. Além deste, foi lançado recentemente o “Turuçu dos Sabores”, que tem como base as próprias agroindústrias. Através do Conselho Municipal do Turismo e da Lei nº 1.290/2017, o secretário de Educação, Turismo, Cultura, Lazer e Esporte, José Francisco Conceição, lançou o desafio de construir um projeto ligado ao setor, o que foi feito pela equipe da Emater e os representantes das agroindústrias.

Conforme Alessandra, essa será uma oportunidade para que clientes conheçam as agroindústrias e as diferenças da produção dos produtos coloniais em comparação às indústrias comuns. “Temos atividades para incluir todas as idades. É para ser prazeroso para quem visita e também para quem vai ofertar, e acho que esse é o diferencial. As nossas agroindústrias estão muito empolgadas para começar isso de forma efetiva”, destaca Alessandra.

A rota irá proporcionar ao turista conhecer a gastronomia local, fazer visitas guiadas nas propriedades, trilhas ecológicas e degustação dos produtos coloniais, bem como conhecer as etapas do preparo, que vão desde a lavoura até a comercialização. Ao todo, são oito agroindústrias familiares, uma fábrica de café e uma cervejaria que formam o roteiro. Também há previsão de almoço ao ar livre. “Ele [roteiro] oferta um dia de despertar nas pessoas, desde degustação de produtos, como conhecer a língua alemã/pomerana e também as características culturais”, afirma.

Informações sobre agendamento podem ser obtidas com a presidente da Cooperativa das Atividades Agroindustriais e Artesanais da Agricultura Familiar de Turuçu (Cooperturuçu), Vera Tuchtenhagen, pelo telefone (53) 98431-3471 e e-mail [email protected]

Ainda, como forma de potencializar o setor, o roteiro foi apresentado durante a 93ª Expofeira Pelotas, no 10º Seminário Turismo Rural – Roteiros e Sabores, e na Universidade Federal do Pampa (Unipampa), campus Jaguarão, no 7º Mateando com Turismo, que conta com representantes da Região Sul. “Vamos colher alguns frutos desta apresentação”, diz a chefe da Emater.

Festa do Morango e da Pimenta
Outra marca do turismo local, a Festa do Morango e da Pimenta é evento tradicional do município, o qual conta em sua programação com o Pavilhão da Agricultura Familiar. Neste ano, 40 famílias irão expor seus produtos com as agroindústrias, produtores rurais e artesãos.

“São diversos produtos, como queijos temperados, geleias, molhos, azeites, panificados, entre outros. Nosso pavilhão está bem sortido. É um local que se mantém com o maior número de expositores locais, sendo duas agroindústrias de São Lourenço do Sul, porque compõem a Cooperturuçu”, comenta Alessandra.

No espaço também haverá a Feira da Agricultura Familiar, comercialização com floriculturas, especialmente suculentas, além do estande da Emater.

De acordo com a extensionista rural da Emater/RS-Ascar e engenheira agrônoma, Janaína Silva da Rosa, a festa é uma ótima oportunidade dos produtores comercializarem morangos de alta qualidade e de modo valorizado, que teve a colheita deste ano iniciada antecipadamente em julho. “A nossa expectativa é muito boa por conta da pouca chuva”, comenta a profissional, ressaltando que o clima é uma preocupação geral da agricultura. “Tem produtores que realizam estratégias para colher os melhores morangos para a festa. É uma boa colheita e um produto de boa qualidade”, destaca.

Alternativas de produção
Além da produção em solo, 11 famílias estão com a produção em substrato, sendo uma realidade nos últimos anos na zona rural de Turuçu. Ainda, a Emater/RS-Ascar vem trabalhando com o incentivo à produção orgânica, tanto do morango como de outros produtos. Atualmente, está em processo de regulamentação com documentação no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, para ter o certificado e alvará de produção orgânica.

“Temos produtores que estão testando para criar experiência. Ano que vem vamos ter o certificado e produtores com experiência”, ressalta Janaína.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome