Com início do inverno, Saúde reforça importância de doses contra gripe

Em maio, a pasta recomendou imunizar todas as pessoas acima de 6 anos. (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

Com a chegada do inverno nesta quinta-feira (20), as temperaturas devem cair ainda mais e o período se torna propenso para doenças respiratórias como gripe e covid-19. O Ministério da Saúde, em nota, reforçou a importância da vacinação contra ambas as doenças, sobretudo entre pessoas classificadas como público-alvo.

Em 2024, a campanha de vacinação contra a gripe, tradicionalmente realizada entre os meses de abril e maio, foi antecipada em razão do aumento da circulação de vírus respiratórios no país. Em 25 de março, a dose foi disponibilizada para diversos grupos específicos, como crianças de 6 meses a menores de 6 anos, idosos e gestantes.

Já em maio, a pasta passou a recomendar a imunização de todas as pessoas com mais de 6 meses, com destaque para os seguintes públicos-alvo:

*Crianças de 6 meses a menores de 6 anos;

*Crianças indígenas de 6 meses a menores de 9 anos;

*Trabalhadores da saúde;

*Gestantes;

*Puérperas;

*Professores dos ensinos básico e superior;

*Povos indígenas;

*Idosos com 60 anos ou mais;

*Pessoas em situação de rua;

*Profissionais das forças de segurança e de salvamento;

*Profissionais das Forças Armadas;

*Pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais (independentemente da idade);

*Pessoas com deficiência permanente;

*Caminhoneiros;

*Trabalhadores do transporte rodoviário coletivo (urbano e de longo curso);

*Trabalhadores portuários;

*Funcionários do sistema de privação de liberdade;

*População privada de liberdade, além de adolescentes e jovens sob medidas socioeducativas (entre 12 e 21 anos).

Crianças que vão receber o imunizante pela primeira vez devem tomar duas doses, com intervalo de 30 dias entre elas.

“A vacinação contra a gripe é a melhor forma para garantir proteção contra a doença. O imunizante age para estimular a produção de anticorpos contra o vírus Influenza. Quem se imunizou em 2023 ou nos anos anteriores também deve receber a vacina atualizada. As vacinas são comprovadamente eficazes e protegem contra as cepas atualizadas, de acordo com determinação da Organização Mundial da Saúde (OMS).”

(Arte/Agência Brasil)

Covid-19

Desde janeiro, a vacina contra a covid-19 integra o Programa Nacional de Imunizações (PNI). A recomendação do ministério é que estados e municípios priorizem crianças de 6 meses a menores de 5 anos e grupos com maior risco de desenvolver formas graves da doença, como idosos, imunocomprometidos, gestantes e puérperas.

Em maio, a pasta confirmou a compra de 12,5 milhões de doses do imunizante contra a covid-19 SpikeVax, produzido pela farmacêutica Moderna. O processo de aquisição emergencial, segundo o ministério, começou em dezembro de 2023, quando a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a versão mais atualizada da vacina.

Os grupos classificados como prioritários, neste caso, são:

*Pessoas com 60 anos ou mais;

*Pessoas vivendo em instituições de longa permanência e seus trabalhadores;

*Pessoas imunocomprometidas;

*Indígenas vivendo em terra indígena;

*Ribeirinhos;

*Quilombolas;

*Gestantes e puérperas;

*Trabalhadores da saúde;

*Pessoas com deficiência permanente;

*Pessoas com comorbidades;

*Pessoas privadas de liberdade;

*Funcionários do sistema de privação de liberdade;

*Adolescentes e jovens cumprindo medidas socioeducativas;

*Pessoas em situação de rua.

Entenda como fica a vacinação contra a covid-19 por idade e grupo prioritário aqui.

(Arte/Agência Brasil)

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome