Reunião na Petrobras discute projetos para a Indústria Naval na região

Governador Eduardo Leite, deputado estadual Fábio Branco e integrantes do Governo foram recebidos pela direção da companhia no fim da tarde desta quarta-feira (19) (Foto: Gustavo Mansu/ Palácio Piratini)

A retomada gradual das atividades no Polo Naval de Rio Grande e São José do Norte foi discutida no fim da tarde da última quarta-feira (19), durante reunião na sede da Petrobras, no Rio de Janeiro. O governador Eduardo Leite (PSDB), o deputado estadual Fábio Branco (MDB), o secretário do Meio Ambiente e Infraestrutura, Artur Lemos Júnior, a secretária de Planejamento, Orçamento e Gestão, Leany Lemos, o superintendente dos Portos do RS, Fernando Estima, e o reitor da Furg, Danilo Giroldo, foram recebidos pelos diretores de Relacionamento Institucional, Roberto Ardenghy, e de Desenvolvimento da Produção e Tecnologia, Rudimar Lorenzato.

No encontro, o governador Eduardo Leite pediu que o Estado seja informado sobre os rumos da atividade naval no Estado, que sofreu um baque após o cancelamento de contratos em função da Operação Lava-Jato.

“Sou dessa região do Estado e sei o quanto isso impactou na economia, para o bem, quando os projetos estavam em andamento, e para o mal, já que houve uma frustração em relação ao ciclo de desenvolvimento que era esperado com esses investimentos”, disse Leite.

O governador também fez questão de salientar que compreende que lógica de operação da Petrobras foi alterada, portanto, pretende ajudar a buscar soluções para “melhor aproveitar” a estrutura instalada no município de Rio Grande.

“A partir dos três estaleiros que lá estão, temos um estrutura privilegiada para a construção e reparos de plataformas e navios. Os estaleiros chegaram a gerar 24 mil empregos diretos e 72 mil empregos indiretos, atraindo muita gente de fora. Então, há todo um reflexo social e econômico que ficou, especialmente para a cidade de Rio Grande, mas também em Pelotas”, completou o governador.

Uma janela de oportunidade

O encontro com a direção da Companhia e a comitiva do Governo foi solicitada pelo deputado estadual Fábio Branco (MDB), que no final de dezembro já havia se reunido com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e o então ministro da Cidadania e hoje deputado federal, Osmar Terra (MDB).

“As tratativas começaram naquela reunião, onde avaliamos uma janela de oportunidades muito interessante, que é o descomissionamento de plataformas, ou seja, a desmontagem das estruturas que já não operam mais em função do fim da vida útil. Há cerca de 180 plataformas nessa situação hoje, que só trazem despesa para a Petrobras. É um negócio bom para a companhia e bom para a região, pois significaria a retomada de operações nos nossos estaleiros, ainda que de forma lenta e gradual”, explica o deputado Fábio Branco.

Petrobras se dispõe a auxiliar Governo Gaúcho na busca por alternativas

De acordo com o diretor de Relacionamento Institucional da Petrobras, o governo gaúcho poderá contar com o apoio da empresa na busca por soluções junto ao Polo Naval.

“O que nós podemos nos comprometer com o Estado, e isso é um compromisso nosso, é de sermos facilitadores nesses processo. Facilitar os contatos, organizar workshops. Temos uma equipe aqui que conhece Rio Grande muito bem, conhece a estrutura lá”, afirmou Ardenghy.

Ao final da reunião, o governador Eduardo e o deputado Fábio avaliaram positivamente a reunião, sobretudo em razão da disposição de dialogar em busca de alternativas.

“Temos um canal aberto com a Petrobras para atuarmos nessa condição de sinergia. Sem gerar falsas expectativas pelo que aconteceu no passado, estamos tomando as providências para que os estaleiros existentes e a expertise possam ser aproveitados no futuro”, afirmou o governador.

“O encontro também foi importante para aproximar a Furg e o Cenpes, que é o Centro de Pesquisas da Petrobras. Juntos, eles podem desempenhar papel fundamental, sob o ponto de vista da pesquisa, na busca por alternativas de retomada da atividade naval na região”, acrescenta o deputado Fábio.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome