Pandemia, eleições e vacinação

Sérgio Corrêa.

A pandemia não acabou!!!

O aumento do número de casos em Pelotas ocasionou a abertura de novos leitos para atendimento da Covid-19 em hospitais do município. Na última quinta-feira (7), a Prefeitura Municipal divulgou boletim informando 108 novos casos.

Eleições 2022

Tornou-se rotina no Brasil mudanças na legislação eleitoral no período que antecede as eleições. Cabe lembrar que, para que a alteração na legislação torne-se efetiva, a mesma deve ser aprovada até um ano antes da data da eleição.

Para as eleições de 2022, o Congresso promoveu uma alteração que pretende extinguir de vez as candidaturas de mulheres apenas para preencher a quantidade de candidatas exigidas pela legislação. São aqueles casos em que determinadas candidatas auferem 2 ou 3 votos, isto é, apenas o próprio voto e o voto de algum familiar.

Agora cada voto recebido por candidata mulher assim como, candidato(a) negro(a), valerá por dois na soma de votos que determina a destinação de recursos aos partidos. Assim sendo, se os candidatos nessa condição fizerem grande quantidade de votos, maiores serão os recursos destinados aos partidos.

Caro leitor(a), cada voto destinado a qualquer candidato(a) na eleição continuará valendo um voto.

Vacinação

A vacinação continua avançando em todo o território brasileiro, sobretudo no estado do Rio Grande do Sul. Porém, em Pelotas ainda não chegamos à metade da população com o esquema vacinal completo, ou seja, as duas doses.
A pergunta que não quer calar é: por qual motivo Pelotas está nessa situação?

Contaminação

Em Pelotas, além das escolas públicas, a contaminação pelo coronavírus segue apresentando novos casos em escolas particulares. Até que ponto a não divulgação pública dos casos e dos nomes das escolas, contribui para o aumento do número de casos?

Como acreditar no Brasil?

Falando em primeira pessoa, essa é a pergunta que me tortura desde que tomei conhecimento da notícia contendo informações de que o ministro da economia Paulo Guedes tem dólares investidos em conta Offshore em paraísos fiscais.

A legislação brasileira permite que qualquer cidadão possa ter esse tipo de conta, com recursos em dólar investidos através de Offshores, desde que, tudo seja declarado a Receita Federal, assim como, os impostos devidamente pagos aqui no Brasil. Isso o ministro afirma que fez!

A diferença entre ministro e o cidadão comum é que, os atos do ministro na economia podem desvalorizar o real em relação ao dólar, aumentando assim os rendimentos dos recursos aplicados no exterior, isto é, o ministro ganha quando o dólar está mais valorizado.

Para esse colunista não há desculpas que justifique o ministro da economia não acreditar nos destinos e resultados econômicos do Brasil que são conduzidos por ele Paulo Guedes.
Sabemos das justificativas já apresentadas pelo ministro e seus defensores, esses são recursos obtidos através do trabalho de Guedes no mercado financeiro. Tudo bem! Mas a atitude moral de um ministro da economia, conhecedor do sistema financeiro, deveria ser no mínimo não ter recursos no exterior, ao contrário, investir aqui, em ações de empresas que gerem empregos e desenvolvimento no Brasil.

Diante de tudo isso, fica difícil para um leigo entender as falas da política e da economia, isto é, todos dizem que a instabilidade política e econômica no país afugenta os investidores internacionais, sendo assim, são dólares de fora que não vem para fomentar o desenvolvimento econômico. Como entender o chefe supremo da economia o ministro Paulo Guedes, convertendo seus ganhos e no mercado financeiro em dólares e na contramão do que prega a política e a economia, leva os dólares para o exterior para auferir lucros com a especulação financeira.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome