Casos de saúde, ônibus lotados e aumento de casos de covid-19

Sérgio Corrêa.

Casos de saúde

Caros leitores e leitoras que residem na Zona Sul, a partir da próxima edição esse colunista trará para a coluna Ponto e Vírgula um espaço de jornalismo que pretende mostrar situações sobre saúde que, em sua maioria, não são repassadas aos profissionais de comunicação pelas prefeituras e respectivas secretarias de saúde.

Você, que reside nos municípios da Zona Sul e está aguardando uma consulta com especialista, um exame ou um procedimento cirúrgico há alguns meses, faça contato conosco pelo e-mail [email protected] ou pelo WhatsApp (53) 98485-5040 e nos conte a sua situação. Não espere a doença avançar sem tomar alguma atitude.

Lembre-se, quando o Poder Público não cumpre o seu papel, isso se torna um problema, e quando o problema, mesmo que de alguns, passa a ser do conhecimento de todos, a solução começa a ser discutida, pensada e colocada em prática.

Casos de saúde II

Vereadores e Prefeitos da Zona Sul se mobilizaram em Brasília para que o projeto de construção do Hospital Escola da UFPel seja aprovado conforme o projeto original, com 364 leitos. Isto porque o hospital foi redimensionado, contemplando 250 leitos.

Aqui na coluna vamos mostrar outra realidade, buscando conscientizar a população e os gestores públicos sobre resolubilidade. Isto é, resolver a situação de cada pessoa na UBS, na UPA, para que não haja necessidade de hospitalização, exceto para procedimentos cirúrgicos.

Aqui apenas um exemplo: quantas pessoas aguardam uma cirurgia de vesícula?

Procedimento que é realizado por videolaparoscopia, com apenas três furinhos na barriga. Se tudo transcorre bem, pessoas acima de 20 anos internam num dia e têm alta no outro e pacientes abaixo dos 20, em alguns casos, podem ter alta no mesmo dia. Contudo, se não fizerem a cirurgia, há o risco de evoluir para uma pancreatite, que agrava o quadro.

Casos de saúde III

Nosso objetivo é entregar para a população da Zona Sul informações e relatos, que serão uma radiografia das dificuldades enfrentadas por cidadãos e cidadãs que aguardam consultas, exames ou procedimentos cirúrgicos.

Desejamos mostrar a angústia, os medos e até mesmo a falta de esperança que o tempo de espera causa naqueles que aguardam o atendimento. São dezenas de pessoas afirmando que o SUS funciona muito bem quando é possível conseguir a consulta com o especialista e o exame ou a cirurgia prescrita por ele.

Difícil é obter o atendimento em todas estas etapas em tempo hábil, não permitindo a progressão da doença. Muitas vidas foram salvas, pacientes com câncer foram curados quando o atendimento e o tratamento foram mais rápidos que a doença.

Ônibus lotados

Em Pelotas, é recorrente a reclamação sobre a lotação dos ônibus. Os trabalhadores que utilizam o transporte coletivo não têm a quem recorrer para evitar o risco de contaminação dentro de um transporte coletivo que permite lotação máxima com passageiros de pé.

Pais de alunos de escolas estaduais e municipais não estão permitindo que seus filhos compareçam à escola por causa da superlotação no transporte coletivo, então assinam um termo de responsabilidade e os filhos seguem no ensino remoto.

O que fazer? A Prefeitura, por um período, suportou financeiramente e subsidiou as passagens, minimizando o prejuízo das empresas. Estas, agora sem o subsídio, evitam prejuízos diminuindo o número de veículos – o que causa superlotação. Enquanto o povo abre os olhos com medo de contaminação, a Prefeitura fecha os olhos para a situação.

Cresce o número de novos casos de Covid-19

Estudos da UFPel e da FURG apontam para o crescimento do contágio em Rio Grande e Pelotas, cidades que fazem parte da região 21 no mapa de controle da pandemia estabelecido pelo governo gaúcho.

Relatórios apresentados pelas duas universidades apontam, para o mês de novembro, um crescimento do número de novos casos, superando os registrados em outubro.

 

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome