Piratini: Comissão divulga os shows da Semana Farroupilha

Prefeito e vice falam sobre a organização deste ano para a Semana Farroupilha (Foto: Vitória Leitzke/JTR)

Nael Rosa e Vitória Leitzke

A comissão organizadora da Semana Farroupilha de Piratini divulgou as atrações que subirão ao Palco do Rio Grande, espaço existente no Centro de Eventos Erni Pereira Alves e onde se apresentarão os cantores e grupos na edição 2019, que acontecerá de 13 a 21 de setembro.
Serão 28 shows em nove noites – sendo oito com grupos locais, como forma de resgate que a Prefeitura Municipal, organizadora do evento, irá fazer, conforme o responsável pelas contratações, Glauber Morais.
“Nos últimos anos, quem é de nossa terra se apresentava no Palco da Capital, espaço paralelo e a cargo dos piquetes que fazem as rondas, mas este ano, eles abrem ou fecham a noite”, destaca Morais.
Com a determinação do prefeito Vitor Ivan Gonçalves Rodrigues, o Vitão (PDT), de que a festa custe, no máximo, R$ 500 mil aos cofres do município, Morais afirma que será possível. A atração terá um formato mais cultural e não deixará de atender o público que aprecia uma linha mais fandangueira. Já estão confirmadas as participações de nomes como Jairo Lambari, Leonel Gomes, Ângelo Franco e Pirisca Grecco.
“Estes e outros, como Érlon Péricles e Daniel Torres, são shows da linha campeira, mas a mescla se dá aos somarmos o Tchê Barbaridade, Tchê Garotos, Mateadores, os Mirins e Cristiano Quevedo, que geralmente abre as festividades”, diz.
Segundo Morais, a comunidade já deu um retorno ao aprovar a carta de shows, pois a população se manifestou positivamente na página oficial da Semana Farroupilha. “Temos consciência que não é possível agradar a todos, mas entendo que, diante das condições financeiras que temos, as atrações vão agradar a maioria. Sei que a ausência de Mano Lima será sentida, e nós até tentamos contratá-lo, porém não havia data disponível. Surgiu mais tarde, mas por ser um show dos mais onerosos e termos atingido o teto para contratações, isso não foi possível”, explica.

O evento
Após dois anos sendo realizado por empresa terceirizada, diversos fatores levaram o Executivo a reassumir a Semana Farroupilha de Piratini. “Uma série de situações fez com que não saísse com a qualidade que as pessoas esperavam, então começou a ficar preocupante pela questão das críticas e as pessoas começaram a sentir saudades da mão da Prefeitura Municipal realizando o evento”, conta o prefeito.
“Muitas pessoas acham que o retorno é devido às vésperas de ano eleitoral, mas na verdade, tivemos que dar este recuo para dar um equilíbrio financeiro. Hoje o município conseguiu sanar alguns problemas e está em uma condição melhor e mais equilibrada”, ressalta.
O vice-prefeito Gilson Gomes (Progressistas) corrobora que um dos fatores que fez retomar a organização foi o clamor popular. “A população pedia para que retomássemos, diziam que a parte cultural estava sendo perdida. Estavam descontentes. A intenção é de valorizar o comércio local, para gerar emprego e renda, com isso a semana ocorre em parceria com a ACI/CDL”, afirma.
De acordo com o chefe do Executivo, para o ano que vem já está sendo realizado um projeto pela Lei de Incentivo à Cultura (LIC-RS), tendo em vista a lei que promulga a celebração como Patrimônio Cultural do Estado, de 2008.

1 comentário

  1. Como querem que alguém vá visitar a cidade se o título da matéria é “programação da semana Farroupilha” mas quando as pessoas abrem o artigo não tem nada de programação?? Cadê os shows, horários, datas, valores???? Pensei em ir com mais 5 pessoas, não vou mais, quem vai querer ir num lugar que não tem uma programação bem esclarecida.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome