Vigilância orienta no combate à infestação de carrapatos em Pelotas

Foto: Divulgação

Ele é pequeno e, algumas vezes, difícil de ver, mas pode causar problemas sérios de saúde em caso de infestação. O carrapato do cão (Rhipicephalus sangüineus), mais comum em Pelotas, costuma se proliferar rapidamente no verão, atingindo principalmente a população canina. Para combater o problema, o ideal é manter terrenos e pátios limpos, com grama baixa e sem entulhos. Cuidar da higiene dos animais também é uma boa forma de garantir distância do artrópode, que também pode picar seres humanos.

Conforme a bióloga da Vigilância Ambiental em Saúde (Vigiams) da Secretaria de Saúde (SMS), Ana Pizarro, carrapatos são ectoparasitas da família das aranhas e transmitem a febre maculosa – dentre outras —, doença infecciosa febril aguda, de gravidade variável, com diversos sintomas inespecíficos, incluindo febre elevada, dores de cabeça e musculares intensas, mal-estar generalizado, náuseas e vômitos. “É importante o tratamento dos animais e do ambiente no mesmo período, para que o controle seja efetivo”, alerta a bióloga.

Atualmente, a Vigiams realiza inspeções zoossanitárias sempre que solicitado. Os técnicos entregam fôlderes educativos e orientações de manejo, controle e prevenção. Quando uma pessoa é picada, o caso é encaminhado à Vigilância Epidemiológica para acompanhamento e adoção das medidas necessárias, conforme protocolo. Se forem identificadas grandes infestações, a população pode entrar em contato pelo telefone (53) 3284-7731, do Centro de Controle de Zoonoses.

Dica de controle

Cipermetrina (Princípio Ativo)

Diluição: 25 ml para 5 litros de água;

Aplicação: uma vez por semana, durante três semanas consecutivas. OBS: não aplicar em dia de chuva.

Têm carrapatos presos na pele?

Desinfete bem o local e observe. Se a inflamação localizada não aumentar, está tudo bem. Se a área ficar mais vermelha no dia seguinte, ou dolorida, procure uma unidade de saúde e peça uma avaliação médica.

Como retirar o carrapato?

Nunca puxe o aracnídeo, pois isso pode causar sangramentos e infecção no local. Coloque um pano ou bucha de algodão embebida em álcool em cima do carrapato, assim ele soltará naturalmente, sem causar ferimento na pele.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome