Pelotas: Volume de chuva dos últimos dias ultrapassa média mensal

Ocupação Aeroporto (Foto: Divulgação/Defesa) Civil

Força-tarefa integrada por secretarias da Prefeitura, Sanep e Defesa Civil atua em todas as áreas da cidade para amenizar os transtornos causados pelas chuvas dos últimos dias. Até o meio-dia desta quarta-feira (25), o acumulado, desde a sexta-feira (20), somava 130 milímetros de precipitações, enquanto a média para todo o mês é de 119 milímetros. Na zona rural, o prejuízo nas estradas é de grande monta.

De acordo com o levantamento realizado pelo Sanep, o pluviômetro central registrou, somente nesta quarta-feira, 30 milímetros de precipitação até o meio-dia.  As oito casas de bombas da autarquia mantêm-se operando a pleno, com plantões, 24 horas, de monitoramento e intervenções para limpeza e retirada dos resíduos levados pelos canais de macrodrenagem.

Famílias recebem apoio

Nas primeiras horas da manhã, a Defesa Civil foi acionada por moradores da ocupação localizada na avenida Zeferino Costa, defronte ao Aeroporto. No local, o coordenador Paulo Darci dos Santos pediu o apoio do Sanep e da Secretaria de Assistência Social. A água tomou as vias e chegou a invadir moradias.

Equipe e maquinário do Sanep trataram da desobstrução do sistema de drenagem, enquanto o pessoal da Assistência Social iniciou cadastro de reconhecimento da situação das famílias e ofereceu os serviços.

Trinta e sete famílias já haviam sido cadastradas até o meio-dia. Somente uma, com cinco pessoas – mãe e quatro filhos -, aceitou ser removida para a casa de parentes, de acordo com informações do coordenador da Defesa Civil local, tenente Paulo Darci dos Santos. As demais não quiseram deixar suas casas, embora a oferta de acolhimento da SAS.

A Defesa Civil ofereceu lonas, como paliativo para cobrir telhados com falhas ou danificados e, segundo a coordenadora do setor de Proteção Social Básica, assistente social Andréia Iriart, além do acolhimento, a Secretaria disponibilizou cobertores, roupas e alimentos em ação que se estendeu ao longo do dia.

Serviços Urbanos e Infraestrutura

As coordenadorias das sete macrorregiões da cidade, vinculadas à Secretaria de Serviços Urbanos e Infraestrutura, mantêm equipes e maquinários nas ruas, em todas as áreas, fazendo frente aos alagamentos.

“Chuva acima da média, cidade plana e construções irregulares são os principais fatores que comprometem a eficiência dos sistemas de drenagem”, observa o secretário Flávio Suanes. Todo o trabalho voltou-se à desobstrução de valetas e abertura de travessias de escoamento do excesso de água.

Zona rural

O grande volume de chuva causou prejuízos à malha viária da colônia. Segundo o secretário de Desenvolvimento Rural, Jair Seidel, “Os estragos são consideráveis e o trabalho de patrolamento, realizado na última semana, está praticamente todo perdido”.

Até o meio-dia, não havia registros de pontes danificadas ou interdições de estradas rurais. No entanto, as condições de trafegabilidade apresentavam-se comprometidas em muitos pontos, devido ao barro que se formou em razão do trânsito pesado e da chuva excessiva. A maior preocupação, de acordo com o secretário, é em relação aos veículos pesados de transporte de verduras e legumes e, também, com os caminhões do leite. Passado o período de instabilidade, a Secretaria vai avaliar a situação das estradas e priorizar pontos principais para recuperação.

Trânsito e Qualidade Ambiental

A Secretaria de Transporte e Trânsito informa que não houve necessidade de interrupção de nenhuma rua em razão do acúmulo de água. Os semáforos mantêm-se em pleno funcionamento. A Qualidade Ambiental não registrou queda de árvores ou de galhos em decorrência do mau tempo.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome