Jovens de Turuçu participam pelo 4ª ano do Curso de Empreendedorismo e Desenvolvimento para Juventude Rural da Emater

As jovens do município que participam do curso neste ano são Shaiane Souza (esquerda) e Djulie Ziztke (direita). (Foto: Divulgação)

O Curso de Empreendedorismo e Desenvolvimento para Juventude Rural, realizado no Centro de Treinamento de Agricultores de Canguçu (Cetac), pela Emater/RS-Ascar, está na sua 6ª edição anual. O curso, iniciado em 2018, terá sete módulos (encontros mensais com três dias de duração) e busca tratar com jovens rurais as inúmeras possibilidades de geração de renda e atividades produtivas do meio rural, bem como desenvolver outras habilidades através da integração e vivências durante o curso, na perspectiva da sucessão na agricultura familiar.

Este ano, conta com a participação de 27 jovens rurais de 11 municípios da região de Pelotas. De Turuçu, são duas jovens mulheres participantes, sendo que já são cinco jovens formados em edições anteriores. Desses, todos têm alguma atividade geradora de renda própria na propriedade, seja com atividades agropecuárias ou não. O objetivo do curso é contribuir para autonomia e geração de renda aos jovens rurais.

A extensionista e chefe do Escritório Municipal da Emater, Alessandra Storch, cita que esses são fatores importantes para encaminhamento da sucessão familiar nas propriedades. Por isso, no final do ano, cada aluno deverá apresentar um projeto produtivo, como condição para certificação do curso, que será realizado e implantado com o apoio e Assistência Técnica e Extensão Rural Social da Emater/RS-Ascar.

As jovens participantes deste ano são Djulie Ziztke, de 17 anos, e Shaiane Souza, de 22. A primeira é moradora da Colônia São Domingos com os pais, produtores de morango e sócios fundadores da Associação de Produtores de Morango de Turuçu. Já Shaiane é remanescente da Comunidade Quilombola da Mutuca e sonha em produzir hortaliças na propriedade rural que herdou da avó e dos pais. Ambas as jovens sempre tiveram uma ótima relação com as técnicas do escritório municipal da Emater.

Desde muito pequena, Djulie participa das atividades relacio­nadas a produção de morango e atualmente é a princesa da Festa do Morango e da Pimenta. En­quanto Shaiane, muito ativa na Comunidade Quilombola e tam­bém na escola, onde participou dos diversos projetos de Horta Escolar, tendo a inciativa de al­guns destes projetos.

Assim, a técnica da Emater, Karin Peglow, que acompanha as jovens no curso, relata: “Como nos outros anos, temos duas jo­vens muito interessadas e dedi­cadas. A participação delas no curso é fruto do trabalho históri­co de ATERS (Assistência Técnica e Extensão Rural Social) realiza­do pela equipe da Emater com suas famílias e comunidades no município de Turuçu. O objetivo é auxiliar essas jovens a encon­trar perspectivas de qualidade de vida na zona rural, com ren­da, mas também alegria e con­forto. Estamos todas muito feli­zes e empolgadas com o curso”.

Karin comenta que este foi o primeiro módulo mensal de sete que constituirão o curso este ano. Este primeiro módulo busca conhecer e interagir com os jovens, criando um conteúdo programático que atenda suas expectativas e interesses.

A abertura do curso ocorreu na terça-feira (30) e os familiares de Djulie e Shaiane estiveram presen­tes e ficaram muito satisfeitos com a oportunidade. Djulie manifestou sua experiência no primeiro mó­dulo, que tratou do tema Turismo Rural, com uma visita ao empreen­dimento Vinhos Nardello. “Eu ado­rei, gostei demais, do local, me dei bem com todos, muitas amizades e aprendizados já nesse primeiro módulo; foi incrível! Já estou ansio­sa pelo próximo módulo”.

A técnica da Emater fina­lizou: “Buscamos trabalhar de uma forma leve, porém respon­sável, mostrando aos jovens o quanto o meio rural é diverso e com oportunidades interessan­tes para construção de uma vida adulta. Ainda, trabalhamos mui­to com a questão de tecnologias para enfrentamento aos desafios climáticos e redução da penosi­dade do trabalho. Pois, para que o meio rural continue produzin­do é importante a permanência dos jovens, mas também a busca por soluções para o trabalho pe­sado e manutenção da qualida­de de vida das famílias, questões que são tratadas com as famílias pela ATERS de forma continuada e planejada”, disse Karin.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome