Com ineditismos, Eduardo Leite (PSDB) é reeleito para o governo do RS e Lula (PT) será o novo presidente do Brasil

Luis Inácio Lula da Silva (PT) foi eleito para terceiro mandato como presidente do país e Eduardo Leite (PSDB) reeleito para o governo do RS. (Fotos: Ricardo Stuckert e Maurício Tonetto)

A conclusão da apuração das urnas em todo o país no último domingo (30) representou a quebra de paradigmas. O primeiro de que o Rio Grande do Sul não havia conduzido nenhum governador a um segundo mandato desde a redemocratização e o outro de que um presidente da República não havia sido eleito para um terceiro mandato.

E também foram muitos ineditismos na jovem democracia brasileira. Pela primeira vez, um presidente no cargo não foi reeleito, por exemplo. Por outro lado, houve a maior votação da história em um candidato ao Palácio do Planalto. Também foi a menor diferença entre os dois postulantes ao cargo de chefe de Estado. Luiz Inácio Lula da Silva (PT) conquistou 50,90% dos votos e Jair Messias Bolsonaro (PL) 49,10%. Em números absolutos, o petista recebeu o voto de 60.345.999 brasileiros e o atual presidente de 58.206.354. A diferença, portanto, foi de 1,80%, ou 2.139.645 votos.

No primeiro turno Lula (PT) teve 57.259.504 votos e 48,43% do eleitorado, contra 51.072.345 de votos recebidos por Bolsonaro (PL), com 43,20%.

No Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB) conseguiu superar a margem apertada contra o terceiro colocado, que o fez avançar para o segundo turno. A votação do pelotense dobrou, passando de 1.702.815 em 2 de outubro para 3.687.126 votos no último dia 30, 26,81% e 57,12%, respectivamente.

Onyx Lorenzoni (PL), por outro lado, viu o número de eleitores aumentar pouco e terminou com 2.767.786, 42,88%. No primeiro turno havia recebido 2.382.026 votos, 37,50%. Ainda durante o primeiro mandato, Leite também já havia se tornado o primeiro governador do RS a ser assumidamente homossexual, após ter revelado em julho de 2021.

Em discurso na noite de domingo, em Porto Alegre, após a confirmação do resultado, Leite agradeceu os votos e a confiança dos eleitores. Além disso, reconheceu que recebeu votos de pessoas que não queriam que o candidato opositor assumisse o poder e que podem não concordar com a sua agenda.

Citando os partidos que o apoiaram no segundo turno, ele apontou o PT, que declarou “voto crítico”. “Nós recebemos conscientes de que esse voto, se não vem com convergência dentro da agenda e do programa que temos para o estado, vem na convergência em torno da democracia e do respeito, do diálogo daqueles que pensam diferente”, afirmou. O governador eleito destacou que recebeu um telefonema de Lorenzoni parabenizando a vitória. Além disso, agradeceu ao vice, o deputado estadual Gabriel Souza (MDB).

Lula (PT) também discursou por duas vezes, a primeira, com um texto lido em um hotel na capital paulista, destacando pautas que serão prioritárias em seu governo e que trabalhará pela união. “Não existem dois brasis”, disse. Em seguida, na avenida Paulista, local que concentrava apoiadores celebrando a vitória, Lula promoveu um discurso mais inflamado, citando algumas de suas ações que deverão ser feitas em áreas como a saúde, assistência social, cultura e educação. Além disso, agradeceu o apoio de todos que se uniram durante a campanha no segundo turno, mesmo que de outros partidos.

Abstenção diminui no segundo turno
Pela primeira vez, a abstenção no segundo turno foi menor do que a registrada no primeiro. No dia 30 de outubro, o índice foi de 20,59%, 32.200.558 eleitores, contra 20,95%, 32.770.982 cidadãos no dia 2. No RS, o número também foi reduzido, passando de 19,78%, 1.699.416 eleitores, no primeiro turno, para 19,31%, 1.658.832.

Transição
O processo de transição entre governos já foi iniciado. Lula escolheu o vice Geraldo Alckmin (PSDB) para liderar o processo junto ao atual governo federal. Desde quinta-feira (2) ele vem realizando reuniões em Brasília com membros do Congresso Nacional e do Executivo.
No estado, Eduardo Leite (PSDB) esteve com o atual governador Ranolfo Vieira Júnior (PSDB) na terça-feira (2), no Palácio Piratini, junto ao vice Gabriel Souza (MDB) para iniciar o processo.

Confira a votação nos municípios de cobertura do JTR e na Capital Gaúcha

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome