Do interior de Camaquã, surge um pesquisador nato e determinado

Daniel faz pesquisas sobre a história dos Neutzling (Fotos: Reprodução/Arquivo Pessoal)

Em busca da memória dos Neutzling no Brasil, Daniel Neutzling Barbosa, residente na localidade dos Galpões, 4º Distrito de Camaquã, se dedica a pesquisar – mesmo sem formação acadêmica – sobre as raízes de parte da sua família originária do antigo reino da Prússia. Os Neutzling são de origem alemã e chegaram na Região Sul do estado no final do século XIX.

Contando com apoio da tia e incentivadora Ester Neutzling Huber e auxílio de demais familiares, Daniel vem buscando documentos, material fotográfico e objetos também nos municípios de Pelotas, Canguçu e Morro Redondo, bem como outras cidades da região, para dar continuidade às pesquisas.

O material reunido por ele nos últimos anos é impresso e cuidadosamente preservado.
Aqueles que quiserem saber mais sobre a família Neutzling e ajudar nesta missão, é possível entrar em contato com Daniel pelo WhatsApp (51) 98049-9313.

Um pouco sobre a história
Daniel é tataraneto de Peter Neutzling, um dos primeiros do clã a se estabelecer no Rio Grande do Sul, com o irmão Philipp. Conforme as pesquisas, eles saíram do porto de Hamburgo – na época integrado ao território da Prússia – pelo navio cargueiro Twee Vrienden, com 88 imigrantes em 31 de outubro de 1857.

Em 18 de janeiro de 1858, eles desembarcaram no porto de Rio Grande, sendo transportados pela Lagoa dos Patos até o porto fluvial do Arroio São Lourenço. Foram conduzidos até a propriedade de Jacob Rheingantz, na localidade de Picada Moinhos – hoje denominada Coxilha do Barão, interior de São Lourenço do Sul.

Philipp Neutzling foi irmão de Peter
Maria Joana Hames e João Neutzling
Retratos compõem o acervo de Daniel

No Brasil, Peter adotou o nome de Pedro e se casou com Khatarina. O casal teve os filhos Felipe, Frederico, Ernesto e João. Peter veio a falecer em 1913.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome