Coalização Governadores pelo Clima se reúne com John Kerry

Sete governadores brasileiros participaram da conferência virtual. (Foto: Gustavo Mansur/Palácio Piratini)

Eduardo Leite foi um dos sete governadores brasileiros que se reuniram, na sexta-feira (30) à tarde, com John Kerry, enviado especial para o clima da presidência dos Estados Unidos. A conferência foi virtual e em inglês, com tradução simultânea. Além do chefe do Executivo gaúcho, participaram os governadores Reinaldo Azambuja (MS), Renato Casagrande (ES), João Doria (SP), Flávio Dino (MA), Wellington Dias (PI) e Helder Barbalho (PA), representando as cinco regiões do país.

O grupo representa a coalizão Governadores pelo Clima, união de 24 governadores brasileiros que se associaram para enfrentar as emergências climáticas com ações destinadas a regeneração ambiental, redução das emissões de carbono e desenvolvimento de cadeias econômicas capazes de oferecer alternativas às populações mais vulneráveis.

A estratégia central é somar a capacidade de investimento norte-americana com a mais vasta e diversificada base florestal do planeta – que inclui Amazônia, Cerrado, Pantanal, Mata Atlântica, Caatinga e Pampa – para criar a maior economia de descarbonização do mundo.

Leite foi o primeiro a se pronunciar, em nome dos três Estados da região Sul, e apresentou dois projetos: um de revitalização de bacias hidrográficas e outro de conservação de biomas.

“Compartilho com os meus colegas da região Sul a crença na possibilidade de combinar geração de riqueza com a preservação do ambiente, assim como também defendemos que é preciso articular atores locais e regionais, públicos e privados, nacionais e internacionais e envolvê-los estrategicamente em torno de projetos estruturados”, afirmou.

O projeto de revitalização das bacias hidrográficas consiste na articulação de políticas públicas conjuntas para incentivar soluções que garantam a disponibilidade e a qualidade da água para seus mais diversos usos, por meio da gestão eficiente de recursos hídricos, atuando para atenuar os efeitos da ação humana.

O foco será a revitalização das bacias mais degradadas em termos de qualidade da água no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina e no Paraná: Caí, Gravataí, Iguaçu, dos Sinos e Uruguai.

“Manter o equilíbrio entre o agronegócio e a preservação ambiental tem sido um desafio sério para o sul do Brasil e queremos, a partir da revitalização das bacias indicadas no nosso projeto, melhorar a nossa articulação e atingir resultados duradouros para a nossa população”, destacou Leite.

O projeto de conservação, por sua vez, envolve os principais biomas do Sul: Cerrado, Mata Atlântica e Pampa. A preservação dessas áreas culmina na existência de inúmeras espécies de fauna e flora, além de, especialmente no Pampa, implicar um aspecto de preservação da memória.

Para o secretário do Meio Ambiente e Infraestrutura, Luiz Henrique Viana, o tema é urgente e precisa da cooperação de todos os países. “É hora de trabalharmos em conjunto, e este canal de comunicação possibilita que encontremos medidas que impulsionem o equilíbrio climático e a construção de uma sociedade mais saudável”, destacou.

Depois de Leite, se pronunciaram os governadores de São Paulo, Maranhão, Mato Grosso do Sul e Piauí, que também apresentaram projetos pensados para cada região. O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, foi responsável por fazer a apresentação e a mediação da reunião.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome