As cinco linguagens do amor

Otávio Avendano é Psicanalista, hipnoterapeuta, neurocientista do comportamento humano e especialista em fisiologia hormonal. (Foto: Arquivo Pessoal)

As cinco linguagens do amor são um conceito desenvolvido por Gary Chapman, que sugere que cada pessoa tem uma forma predominante de expressar e receber amor. Essas cinco linguagens são: palavras de afirmação, tempo de qualidade, presentes, atos de serviço e toque físico.

A primeira linguagem do amor é a das palavras de afirmação. Para pessoas que se identificam com essa linguagem, ouvir palavras positivas e encorajadoras é fundamental para se sentirem amadas e valorizadas. É importante expressar gratidão, elogios e palavras de encorajamento para fortalecer o relacionamento com alguém que valorize essa linguagem. Em tempos de redes sociais, é importante lembrar que algumas pessoas gostam de ouvir essas coisas em público, isto é, que as pessoas ao seu entorno vejam o quanto ela é amada. E as redes não mudaram essa dinâmica: nos casamentos sempre ocorreram troca de votos, os pedidos de noivado em público sempre foram mais emocionantes…

O tempo de qualidade é a segunda linguagem do amor. Para quem se identifica com essa linguagem, passar momentos significativos e atenciosos ao lado da pessoa amada é fundamental. Isso envolve dedicar atenção total, ter conversas profundas e criar memórias especiais juntos. Quanto a isso, aí sim a tecnologia pode atrapalhar bastante. Já viram o quão desagradável é quando um casal está em um restaurante, mas cada um mexendo em seu celular? O tempo de qualidade é uma adaptação da modernidade ao excesso de trabalho, o que prejudica a quantidade de tempo dedicada ao outro.

A terceira linguagem do amor são os presentes. Para algumas pessoas, receber presentes simbólicos ou surpresas demonstra cuidado e afeto. Não precisa ser algo caro, mas sim algo que mostre que a pessoa foi lembrada e valorizada. Uma flor apanhada no jardim, um bombom, o preparo de um alimento que o outro gosta, um bilhete escrito “eu te amo”…

Os atos de serviço constituem a quarta linguagem do amor. Para quem se identifica com essa linguagem, receber ajuda prática em tarefas do dia a dia ou gestos que facilitem a vida cotidiana demonstram amor e cuidado. Isso inclui cozinhar para o outro (tanto por homens quanto por mulheres), abrir a porta do carro, esperar o outro começar a comer para os dois partilharem a refeição juntos…

Por fim, o toque físico é a quinta linguagem do amor. O contato físico, como abraços, beijos e carícias, é fundamental para quem se identifica com essa linguagem. O toque transmite conforto, segurança e conexão emocional. Dos cinco sentidos, nenhum envolve mais conexões nervosas quanto o tato.

É importante ressaltar que as pessoas podem ter mais de uma linguagem do amor predominante e que é essencial conhecer a linguagem predominante do parceiro para expressar amor de forma significativa para ele.

Entender as cinco linguagens do amor pode fortalecer os relacionamentos ao possibilitar uma comunicação mais eficaz e demonstrar afeto de maneira mais impactante para o parceiro.

*Otávio Avendano é Psicanalista, hipnoterapeuta e neurocientista do comportamento humano.

WhatsApp: 53 991627411

Instagram: @otavioavendano

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome