Piratini: Museu Histórico Farroupilha inaugura Coleção TcheVoni

A exposição contou com o descerramento de uma placa de inauguração. (Foto: Divulgação)

A secretária de Estado da Cultura, Beatriz Araujo, participou no sábado (11) da solenidade de inauguração da coleção TcheVoni e da celebração dos 185 anos da proclamação da República Rio-Grandense, no Museu Histórico Farroupilha, instituição da Secretaria de Estado da Cultura (Sedac), localizada em Piratini.

Devido às restrições impostas pelo coronavírus, a cerimônia foi restrita a convidados e à imprensa.

Na Sedac, o acervo passou por catalogação e foi adicionado ao patrimônio do Estado, pela equipe do departamento de Memória e Patrimônio, sob a supervisão do assessor especial Eduardo Hahn. Contou também com a intermediação do deputado federal Ronaldo Santini (PTB-RS), o qual viabilizou o transporte aéreo junto à Força Aérea Brasileira (FAB) e terrestre por meio do Exército Brasileiro, oportunizando que a coleção chegasse ao RS.

Antes de receber a coleção, o Museu Histórico Farroupilha passou por melhorias físicas na reserva técnica, que impactaram no mobiliário e na segurança, qualificando a guarda e a exposição dos objetos. Melhorias essas que foram executadas com recursos provenientes de emenda parlamentar estadual, apresentada pelo deputado Luiz Henrique Viana (PSDB) em 2019, no valor de R$ 100 mil.

Exposição de TcheVoni

A exposição contou com o descerramento de uma placa de inauguração.

Participaram do ato, o deputado estadual, Luiz Henrique Viana; a secretária de Estado da Cultura, Beatriz Araujo; secretária Estadual de Educação, Raquel Teixeira; o presidente da Câmara de Vereadores de Piratini, Manoel Rodrigues; o prefeito Municipal de Piratini, Márcio Manetti Porto; o homenageado que cede o nome à Exposição, Volnir Júnior dos Santos (TcheVoni); a diretora do Museu Histórico Farroupilha, Franciele Domingues e a secretária Municipal de Cultura, Turismo, Desporto e Lazer de Piratini, Caroline Caetano.

Para TcheVoni, a República Rio-Grandense existe e está viva. “Em 1845, com o tratado de paz de Poncho Verde, foi feito um tratado de paz entre duas nações, mas não existe documento nenhum que comprove a deposição da nossa pátria e que tire a capital de Piratini. Esta é a verdadeira capital dos Farrapos. Esta é a verdadeira capital da República Rio-Grandense, e continuará existindo enquanto tivermos estes artefatos preservados”, concluiu.

A anfitriã do evento, diretora do Museu Farroupilha, Franciele Domingues, avaliou o momento como um novo tempo na instituição. ”O dia 11 de setembro ficará marcado em nossos corações como o início de uma nova era. E é possível dizer que passaremos a contar com a maior coleção da Revolução Farroupilha entre todas as instituições museológicas”.

A secretária da Cultura, Beatriz Araujo, disse que viveu um momento de muita emoção durante a inauguração, pois conseguiu encerrar um ciclo, que se iniciou há quinze anos atrás, quando passou a ter envolvimento com o Museu Histórico Farroupilha, na restauração do prédio. “Hoje, com a apresentação deste acervo espetacular, doado pelo TcheVoni, e também a entrega do quadro da Anita, já restaurado, vivemos o fechamento de um ciclo. É uma entrega relevante, um legado que fica para o povo gaúcho, porque o Museu Histórico Farroupilha foi praticamente refundado e passa a contar com um acervo que o insere entre os museus históricos mais importantes do Brasil”.

Após a cerimônia de descerramento, a secretária Beatriz Araujo entregou a TcheVoni, uma réplica da placa da exposição.

Em seguida, teve início a visitação da exposição Coleção TcheVoni, guiada pela diretora Francieli Domingues.

“Fuga de Anita Garibaldi a Cavalo”

Após a visitação, os convidados se dirigiram para a solenidade de descerramento da obra restaurada “Fuga de Anita Garibaldi a Cavalo”, realizada na sala denominada “A formação da República Rio-Grandense”.

A obra “Fuga de Anita Garibaldi a Cavalo” (197-1918), de Dakir Parreiras (1894-1967), voltou para o Museu Histórico Farroupilha de Piratini após quase uma década.

Descerramento do quadro “Fuga de Anita Garibaldi a Cavalo”. (Foto: Rafael Varela)

A restauração da obra envolveu professores, estudantes e técnicos dos cursos de Conservação e Restauração e de Museologia da UFPel sob a supervisão da professora do curso de Conservação e Restauro de Bens Culturais da Universidade Federal de Pelotas e coordenadora da Rede de Museus da UFPel, Andréa Bachettini.

A entrega da obra ocorre junto com as comemorações da Semana Farroupilha, no ano do bicentenário do nascimento de Anita.

Para a secretária Beatriz Araujo é uma obra emblemática, pois Anita está a cavalo, com o filho bebê no colo, fugindo das tropas imperiais, mostrando a força da mulher, da mãe e da guerreira. “Trata-se da fragilidade feminina representada pelo filho no colo, em contraponto à bravura e à luta características muito marcantes na personalidade de Anita”.

A diretora do Museu Histórico Farroupilha, Francieli Domingues, destacou que o quadro representa parte fundamental do museu, não só pelo seu valor histórico e artístico, mas também pelo sentimento que a população de Piratini nutre pela tela. “Anita segura o filho nos braços com a mesma força e devoção que os piratinienses serviram à causa farroupilha.”

O museu

Fundado em 1953, o Museu Histórico Farroupilha é considerado um pilar fundamental para construção da identidade gaúcha. Seu acervo é um dos principais narradores do episódio divisor de águas da história do Estado, a Guerra dos Farrapos, e a formação da República Rio-Grandense. Configura-se em uma matriz para pesquisas de valor histórico e científico e em equipamento cultural e turístico de Piratini.

Visitação Pública

O público poderá conferir de perto a coleção a partir do dia 12 de setembro (terça a sexta, das 9h às 11h30 e das 13h30 às 17h; sábados e domingos, das 14h30 às 17h) – mediante agendamento.

Endereço

Rua Coronel Pedroso, 77 – Piratini

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome