Pelotas: Oliveiras seguem em plena frutificação

Oliveira, planta que produz a azeitona, ou oliva. (Foto: Divulgação)

De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado pela Emater/RS-Ascar nesta quinta-feira (09), na região administrativa de Pelotas, estão sendo realizados manejos, como roçadas e monitoramento de pragas e doenças.

O estágio fitossanitário segue positivo: as chuvas da última semana contribuíram para o retorno da umidade no solo e as oliveiras poderão recuperar parte da produção, principalmente de desenvolvimento dos frutos, que estava sendo prejudicada pela estiagem. A produção total da região deverá se repetir ou ser até maior do que na safra passada devido à maior carga de frutos. Mais pomares novos estão entrando com as primeiras produções.

Culturas de Verão

Embora o plantio de soja tenha tecnicamente encerrado, segue a preocupação dos produtores do Estado. Ocorreram algumas precipitações, mas, de modo geral, estas foram irregulares e de baixo volume, insuficientes para alterar o quadro de estiagem presente, a não ser em algumas áreas onde as chuvas tiveram volumes satisfatórios.

Estão em floração 47% da área, fase considerada crítica em relação à necessidade de água; 32% ainda está em fase de germinação e desenvolvimento vegetativo e 21% em fase de enchimento de grãos.

A colheita das lavouras de milho avançou em 4% na semana, atingindo 39% da área total estimada, 14% está em germinação e desenvolvimento vegetativo, 11% em floração, 18% em enchimento de grãos e 18% em fase de maturação.

O desenvolvimento da lavoura de arroz avança na semana. Estão na fase de floração 47% das áreas, 30% em germinação e desenvolvimento vegetativo, 20% em enchimento de grãos e 3% em maturação.

Na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Caxias do Sul, nos Campos de Cima da Serra, a cultura do feijão 1ª safra segue apresentando bom desenvolvimento. As lavouras estão predominantemente em fase vegetativa, porém, as primeiras áreas semeadas já entram em floração. Em Vacaria, Esmeralda e Muitos Capões, onde se cultiva a maior área de feijão, a chuva tem ocorrido regularmente ao longo dos meses de janeiro e fevereiro.

Olerícolas

Na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Bagé, em Caçapava do Sul, os olericultores enfrentam grandes prejuízos em função da falta de chuvas e das altas temperaturas; há impactos mais significativos observados no cultivo de folhosas.

Boa parte das famílias que desenvolvem a atividade não possuem recursos para investir em estruturas de sombreamento contra a incidência da radiação solar direta e do calor excessivo nem para sistemas de irrigação. As chuvas registradas no período beneficiaram algumas localidades, amenizando brevemente os problemas, enquanto outras não foram contempladas. As perdas estimadas são de 40% até o momento, considerando o conjunto de espécies olerícolas.

Na Fronteira Oeste, em São Gabriel, os produtores de alface enfrentam problemas relacionados às altas temperaturas, tais como o aumento de plantas iniciando a fase de florescimento e o maior amargor das folhas, prejudicando o aproveitamento e a qualidade da produção.

Frutícolas

Na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Erechim, os pomares de bergamota estão em fase de desenvolvimento da fruta, e a produtividade dependerá da normalização das chuvas.

Porém, espera-se redução por conta das condições climáticas da primavera e da estiagem que assola a região. Os pomares de caqui seguem em desenvolvimento dos frutos e a cultura apresenta bom estado fitossanitário.

Com relação à cultura da uva, as condições climáticas da região da última semana favoreceram os cultivos por conta das poucas chuvas e da boa insolação. Essas condições tendem a melhorar a qualidade do vinho e do suco que serão produzidos.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome