Jair Bolsonaro (PL) e Onyx Lorenzoni (PL) realizam agenda de campanha em Pelotas

Bolsonaro pediu para apoiadores tentarem atrair votos. (Foto: Daniel Batista/JTR)

O presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) e o candidato ao governo do Estado, Onyx Lorenzoni (PL), realizaram compromissos de campanha em Pelotas durante esta terça-feira (11). Disputando o governo do Estado, Lorenzoni foi o primeiro a chegar, ainda pela manhã, se reuniu com prefeitos da Associação dos Municípios da Zona Sul (Azonasul) em uma churrascaria. No local, recebeu documento com as principais demandas da região. O texto também havia sido entregue para o candidato Eduardo Leite (PSDB), na sexta-feira (8), quando esteve em Pelotas.

Entre as demandas estão a pavimentação de acesso aos municípios, entre elas a construção de ponte sobre o Canal São Gonçalo, que liga a BR 116 à BR 471, na localidade de Santa Isabel, Arroio Grande. Além disso, estão a implementação de programa especial de incremento das atividades econômicas para o desenvolvimento regional, de forma a diminuir o déficit econômico em relação a outras regiões do estado, tais como o estimulo à instalação de novas empresas na região, ao cooperativismo, diversificação econômica na região, estimulo á base econômica tradicional e a atividade turística, entre outras pautas.

Onyx esteve em uma churrascaria de Pelotas. (Foto: Daniel Batista/JTR)

O documento também cobra apoio para atendimento de demandas regionais dependentes da União, como a conclusão da BR 116, no trecho Guaíba, Pelotas; apoio para a viabilização de licitação para construção do novo Hospital Escola da Universidade Federal de Pelotas; construção do lote 4 da BR 392, que liga ao Porto de Rio Grande; construção da travessia à seco, ligando Rio Grande à São José do Norte, do interesse regional, estadual e para o Mercosul; maior agilidade no processo de implantação da Hidrovia Brasil/Uruguai, através das Lagoas dos Patos e Mirim; e apoio no sentido da reversão das decisões da ANEEL, para a instalação em Rio Grande, de uma Termoelétrica, a partir do gás.

Bolsonaro promove comício no Centro de Eventos

À tarde a agenda foi realizada no Centro de Eventos Fenadoce. Na ocasião, falaram deputados, o senador Luis Carlos Heize (Progressistas), que declarou apoio à Onyx no segundo turno, o vice-presidente da República e senador eleito Hamilton Mourão (Republicanos).

Em seguida, a esposa de Lorenzoni, Denise, promoveu uma oração. O candidato discursou depois e afirmou que houve conquista de liberdade ao longo dos anos e da gestão do governo federal por Bolsonaro. Além disso, citou os temas da corrupção nas estatais e elogiou a condução da pandemia. “Salvamos 35 milhões de vidas”, disse. Lorenzoni ainda criticou medidas adotadas por prefeituras e estados para conter o avanço do vírus, citando Pelotas e o Rio Grande do Sul. Além disso, apontou que as medidas restritivas promoveram a perda de empregos e fechamento de empresas. Lorenzoni disse que Leite renunciou aos gaúchos e criticou a condução dele do governo estadual.

(Foto: Daniel Batista/JTR)

O candidato ainda citou a criação do auxílio emergencial e do repasse para compensação fiscal de estados e municípios durante a pandemia. Destacou a queda no preço da gasolina, e outras medidas, como a criação de empregos, ações contra o combate ao crime, especialmente contra as mulheres, e obras de infraestrutura. “Eu poderia ficar falando aqui horas aqui sobre o que esse homem fez pelo Brasil, mas eu quero convidar a cada um de vocês para buscar mais um voto, alguém que não foi votar, que ficou em casa, que é um amigo, que é um parente. Nós temos que nos mobilizar para fazer reeleito o nosso presidente Jair Bolsonaro”, disse.

Bolsonaro (PL) foi o último a falar. Ele criticou o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, citando a corrupção. “As escolhas mal feitas podem nos trazer problemas que levarão décadas para serem resolvidos”. Em seguida criticou governos de esquerda na América do Sul, como em países como Chile e Argentina e afirmou que o Brasil está melhor do que outros locais do mundo.

Lembrou do ataque e da eleição em 2018, afirmando ser escolhido para estar na presidência. “[Dia] 30 de outubro vai marcará a luta do bem contra o mal, e o bem sempre venceu”, apontou.

(Foto: Daniel Batista/JTR)

O presidente citou o comunismo como um retrocesso e disse que o Brasil não pode caminhar para o abismo. Ele também pediu para que apoiadores convençam os indecisos e destacou que poderá ter mais facilidade em aprovar projetos no Congresso Nacional. “Tenho certeza que com a Câmara e o Senado Federal voltados para a direita temos condições para aprovar as pautas de interesse do nosso Estado e do país e sepultar de vez as propostas da esquerda que ofendem a família brasileira”.

Bolsonaro ainda pediu confiança para quem ainda não se decidiu, apontando que “posso falar palavrão mas não sou ladrão” e disse para eleitores permanecerem comparecerem à votação de verde e amarelo e permanecerem até o final da apuração. “No próximo dia 30, de verde e amarelo, vamos votar. E mais do que isso. Vamos permanecer na região da seção eleitoral até a apuração do resultado”, afirmou.

Protestos contrários

Na região Central, estudantes realizaram um ato pela valorização da universidade pública contra os bloqueios orçamentários realizados pelo governo federal e a presença do presidente no município.

Na mesma data, também estava agendada a aula aberta “UFPel no teu mundo”, promovida pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) que foi transferida devido às condições climáticas e não tem nova data para ser realizada.

 

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome