Atleta pelotense Gabriel Brod vence campeonato mundial de jiu-jitsu

Agora, Gabriel pretende contar com a ajuda de patrocinadores e apoiadores para consegui lutar outros campeonatos importantes, como o Mundial de Abu Dhabi, o Europeu Panamericano e o Campeonato Brasileiro. (Foto: Arquivo Pessoal)

Por Anarelli Martinez e Liziane Stoelben

O atleta Gabriel Brod, de 26 anos, conquistou o título mundial no World Jiu-Jitsu IBJJF Championship 2021, durante o principal campeonato de jiu-jitsu do planeta, realizado no último dia 12 de dezembro. Na categoria meio-pesado, o pelotense competia pela faixa roxa e recebeu a premiação nos Estados Unidos, local do evento.

O tradicional Campeonato Mundial de Jiu-jitsu contempla a disputa de diversos atletas mundiais de jiu-jítsu, esporte de luta que exige respostas rápidas e concentração. Brod define o momento como um dos mais especiais de sua vida. “É a realização de um sonho que estava há oito anos engasgado, desde que comecei a treinar” e recorda “em 2018, tinha lutado esse mesmo campeonato e perdi nas oitavas de final, então pra mim, foi uma conquista pessoal muito importante”.

O atleta conheceu o esporte através de seu professor de muay thay que o levou para treinar com Fabiano Índio, da equipe JA Índio Jiu-jitsu Pelotas com o intuito de se aperfeiçoar para lutar MMA (artes marciais mistas). Gabriel conta que se dedicou aos treinos de jiu-jítsu dos 18 aos 21 anos, no quartel, e depois, passou a focar na carreira como atleta. Aos poucos, vencer o mundial se tornou sua meta de vida. “Me dediquei e abdiquei de minha vida inteira para viver aquele momento, eu tinha certeza que por mais que tivesse passado por dificuldades para estar lá, eu tinha total condição de ganhar. Estava pronto e preparado para isso”, recorda.

Carreira

Foto: Arquivo Pessoal

A iniciativa de focar na carreira esportiva inicialmente foi recebida com apreensão pelos familiares que, segundo Brod, “queriam que tivesse uma carreira com vida mais segura”. Mas logo em seguida, em 2017, Gabriel começou a ganhar campeonatos maiores, acumulando cerca de 120 títulos em competições. Atualmente, o atleta reside em Belo Horizonte – Minas Gerais, pois foi selecionado em um projeto social da Academia FP Team. No entanto, reforça que o elo com o antigo treinador, Fabiano, permanece. “Não represento mais o Índio, mas seguimos tendo uma relação de aluno e professor. Antes de lutar, conversamos sobre a minha estratégia, ele não é mais meu professor presente, mas ainda é muito presente na minha vida”, afirma.

Antes da mudança de endereço, Gabriel treinou durante oito anos em Pelotas. Quando surgiu a oportunidade para participar do processo seletivo, conversou com o treinador Fabiano e encaminhou seu currículo para esta que seria a principal seletiva do país. Brod também é estudante de Nutrição na Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e tem o desafio de conciliar os estudos em meio aos treinos diários.

Uma semana após o campeonato mundial, Gabriel disputou na Federação Gaúcha, mesmo sem tempo para se preparar e garantiu mais uma conquista na Super Luta da Copa dos Campeões. “Era um evento que eu queria muito participar, porque a federação gaúcha foi o evento que começou a carreira de atleta, tudo começou lá. Fiquei muito feliz pelo convite, achei que eu deveria lutar, por mais que fosse um pouco sacrificante para mim”, celebra o lutador.

Antes do mundial, Brod estava passando por sessões de fisioterapia devido a um deslocamento no dedão pé, causado durante os treinos. A lesão foi bem grave, tive que treinar até às vésperas do campeonato com o pé enfaixado, fazendo fisioterapia, mas graças a Deus deu certo”, relembra. Para viabilizar sua participação no maior campeonato do mundo ele custeou a viagem por meio de amigos e familiares que o apoiaram por meio de rifas, vakinha online e um bazar.

Rotina de treinos

Para se destacar, o pelotense realiza diariamente uma série treinos individuais e em equipe. Segundo ele, são de três a quatro sessões diárias, sendo a mais intensa delas de duas horas em que realiza o chamado “treino de competição”. Além disso ele tem preparação física três vezes por semana e realiza treinos tático-técnico por cerca de uma hora, todos os dias. E o treino da noite usa das atividades comerciais da atual academia para se movimentar e treinar outras técnicas. Em média, atua nessa rotina de quatro a seis horas por dia.

Próximos passos

A partir de 2022, o objetivo passa a ser conquistar o Mundial novamente, mas desta vez, pela faixa marrom.  Além disso, Gabriel pretende contar com a ajuda de patrocinadores e apoiadores para consegui lutar outros campeonatos importantes, como o Mundial de Abu Dhabi, o Europeu Panamericano e o Campeonato Brasileiro. “São os circuitos mais importante do jiu-jitsu e minha neta é ser campeão de todos esses eventos aí”, reforça.

“Foram as artes marciais que mudaram o meu caráter e, também, muitas das coisas que eu faço hoje, devo muito a arte marcial. Por exemplo, a disciplina que eu tenho para fazer qualquer coisa na minha vida foram coisas que eu aprendi dentro da arte marcial”, comemora.

 

 

 

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome