Apesar da redução de rebanho, leite é o principal produto agropecuário de Cerrito

Hoje, os 80 produtores do município possuem 1,3 mil vacas, e uma produção estimada em mais de 6,7 milhões de litros de leite por ano. (Foto: Adilson Cruz/JTR)

Apesar do avanço da soja que, economicamente, se tornou o principal produto do agronegócio brasileiro, o leite ainda ocupa um lugar privilegiado na economia de Cerrito, que já teve o maior rebanho Jersey do Brasil, em torno de sete mil animais, número que hoje caiu para cerca de 1,3 mil vacas. De 80 produtores, elas são responsáveis por uma produção anual superior a 6,7 milhões de litros de leite.

Em função das boas cotações, a soja vem avançando sobre o território da Zona Sul do Estado e, no município, ocupa sete mil hectares. A Emater acompanha de perto o trabalho nas pequenas propriedades locais durante o ano inteiro, oferecendo assistência técnica à atividade agropecuária local que, como nos demais municípios da região, vem buscando a diversificação.

De acordo com o médico veterinário do escritório local da Emater, Hector Diaz, o município já teve 350 produtores leiteiros, um rebanho de sete mil animais e uma produção total de nove milhões de litros de leite ao ano, o que vem caindo sistematicamente. Segundo o extensionista, a Emater atende vários públicos, basicamente formado por pequenos produtores. “Temos um trabalho forte aqui com as comunidades quilombolas”, explica, citando uma já registrada e outra em fase de documentação.

Além da produção leiteira, têm evidência no município, ainda, a bovinocultura de corte, com mais de mil estabelecimentos cadastrados na inspetoria. “Destes, há desde produtores com dois, três, até 500 animais”, explica. Ele conta que a Emater atende em torno de 50 a 60 produtores de pecuária familiar, com média de 500 a 600 cabeças. Na ovinocultura, são cerca de cinco a 10 produtores, com o total de duas mil cabeças, referentes ao público atendido pela Emater.

Município já teve o maior rebanho Jersey do Brasil, com cerca de 7 mil vacas. (Foto: Adilson Cruz/JTR)

Na agricultura, se destaca a produção de milho, basicamente para fazer silagem, comida para o gado leiteiro. Na fruticultura, aparecem o morango e o pêssego e também os citros nativos. As hortaliças e frutas diversas, segundo Diaz, aparecem de forma relevante na pequena propriedade para atender programas como os de Aquisição de Alimentos (PAA) e alimentação escolar. Hoje, as hortas são atividades desempenhadas, em média, por 35 a 40 produtores cerritenses.

Segundo o extensionista, outra demanda alta atendida pela Emater são os pedidos de crédito, especialmente no que se refere a projetos de investimento e custeio nas pequenas propriedades. Neste caso, a Emater auxilia na elaboração e encaminhamento destes pedidos.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome