Turuçu: Festa oferece oportunidade de faturamento ao produtor de morango

Produtor Fábio conta com o apoio da esposa Carmem para a produção da fruta e de produtos derivados. (Foto: Adilson Cruz/JTR)

A 8ª Festa do Morango e da Pimenta vai abrir uma boa oportunidade de faturamento ao produtor Fábio Zitzke, de 44 anos. Ele segue a tradição familiar de pelo menos 100 anos na produção de morango. Seu avô, Albino, já fazia o cultivo da fruta no mesmo pedaço de terra que o neto dá sequência à produção hoje – os 28 hectares da propriedade localizada na Colônia São Domingos, quase divisa com a Colônia São João, no interior de Turuçu, a 13 quilômetros da zona urbana do município. “Nunca paramos”, garante.

De acordo com Zitzke, a Festa sempre foi um bom negócio para o produtor. Ele admite que já estava com saudades depois de dois anos de ausência devido à pandemia da Covid-19. “Nunca voltei com um quilo de morango para casa”, disse ele, que pretende levar para o evento uma carga total de 200 quilos do chamado morangão, plantado nesta safra com muda chilena.

A fruta in natura não será a única oferta da família Zitzke aos visitantes da festa na banca que a família terá direito no pavilhão da Agricultura Familiar do evento. Sim, da família. A esposa Carmem garante a produção artesanal de outras delícias à base do morango cultivado na propriedade – a saber: geleia, cuca, licor, espetinho e bombom – tudo de morango. Só o vinho destoa, não no gosto, mas na matéria-prima: é de laranja. Vai ter também. De todas as iguarias, Carmem diz que só a cuca aprendeu em casa. “A vó fazia”, informa. O restante foi em cursos oferecidos pela Emater/RS-Ascar.

Fábio continua a tradição do avô, Albino, que já fazia o cultivo da fruta no mesmo pedaço de terra que o neto dá sequência à produção hoje , 28 hectares da propriedade localizada na Colônia São Domingos. (Foto: Adilson Cruz/JTR)

Além de representar uma boa janela de vendas, o evento oferece o contato direto com o consumidor – algo que o produtor diz valorizar. “É lá que a gente mostra a cara”, diz. A expectativa é a melhor possível. “Morango vende direto”, explica.

Atualmente, via grupo de Whatsapp administrado pelo filho mais velho, Tailor, estudante do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul), atende mais de cem famílias em São Lourenço do Sul, onde faz as entregas às segundas e sextas-
feiras. ”Não sobra”, garante.

Apesar da liquidez, o produtor diz que o cenário podia estar melhor para ele e os demais pequenos agricultores que produzem morango no município. Zitzke se queixa do preço dos insumos – segundo ele, muito caros: “Se em 2018 era R$ 400 [reais], um rolo de lona hoje tá dez vezes mais caro e o preço de venda pouco mudou. A cada ano, menos lucro”, aponta.

O papel da Emater
Com uma safra na qual projeta colher seis toneladas, Fábio Zitzke não economiza elogios ao papel da Emater no apoio ao pequeno agricultor.

Além do apoio da esposa e dos filhos, Fábio destaca o auxílio da Emater,
por meio dos extensionistas Alessandra Stosch e Janaina Silva da Rosa. (Foto: Divulgação)

“Trabalha junto com a gente o ano inteiro, se não fosse a Emater não sei se teria morango ainda em Turuçu, muita gente desistiu. Graças à Emater não dependemos do feirista, o papel que a Emater desenvolve é muito bom, muda os funcionários e só melhora”, celebra.
Ele destaca também a parceria muito estreita do escritório da Empresa com a Associação dos Produtores de Morango de Turuçu, que hoje conta com 45 associados (já contou com apenas dez). “Todo mês tem reunião”, elogia.

Prefeitura garante política pública municipal ao morango

Com os preços dos insumos em alta e a ausência de políticas públicas ao pequeno produtor em âmbito estadual e federal, no município o apoio ao pequeno produtor de morango, responsável pela produção de 200 toneladas por safra, vem da Prefeitura.

A fim de incentivar a produção, a prefeitura dispõe do Pró-Morango, que prevê um subsídio de 30% na aquisição de mudas de morango e o pagamento apenas ao final da safra.

Para acessar o benefício os produtores precisam ser sócios da Associação de Produtores de Morango de Turuçu a fim de incentivar a organização rural e promover a qualificação técnica por meio de reuniões mensais, palestras e atividades práticas organizadas pela representação da municipal Emater. O acesso à política municipal está condicionado à presença dos produtores. Via Pró-Morango os agricultores familiares adquirem mudas importadas de alta genética, o que garante uma ótima produção e qualidade reconhecida.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome