Mais de 100 propriedades rurais já foram socorridas pela Prefeitura do Rio Grande por causa da estiagem

Os dados são da Emater-RS/Ascar e demonstram os impactos econômicos da seca no Município. (Foto: Divulgação)

Em estado de emergência em função da estiagem, Rio Grande já soma mais de R$ 136 milhões em prejuízo. Os dados são da Emater-RS/Ascar e demonstram os impactos econômicos da seca no Município. As maiores perdas estão na soja e na pecuária de corte, onde se concentram quebras de mais de R$ 120 milhões

Conforme o engenheiro agrônomo e extensionista rural da Emater Rio Grande, Aldair Gaiardo, a situação se estabilizou nos últimos dias diante de períodos chuvosos, chegando a 22 milímetros de precipitação média na última semana. “Isso não quer dizer que os problemas encerraram, visto que as chuvas foram de pequena intensidade. Não foi possível recuperar a capacidade hídrica das propriedades rurais e existe baixa disponibilidade de água para pecuária leiteira e de corte, assim como para a para irrigação nas pequenas propriedades”, comentou. Apesar disso, a expectativa da Emater é que a situação da produção apresente certa melhora nos próximos meses

A Secretaria da Pesca, Agricultura e Cooperativismo (SMPAC) segue atuando na limpeza de açudes que são utilizados como bebedouro para os animais. Atualmente, o trabalho de enfrentamento à estiagem em parceria com Defesa Civil, Emater, Secretaria de Zeladoria da Cidada e Exército Brasileiro. Além da distribuição de alimento e água potável, há cinco frentes de trabalho em execução, nas seguintes regiões: Albardão; Povo Novo; Senandes; Palma; e Vila da Quinta. “Já atendemos mais de 125 propriedades. Temos mais de 100 outras que estão em uma lista de espera, que continua a crescer diariamente. Ao todo já fizemos mais de 250 aguadas, considerando uma média de duas por propriedade”, explica o secretário adjunto da SMPAC, Jesus Carrasco.

Recentemente o município firmou convênio com o Governo do RS para a construção de 10 açudes, estruturas de maior tamanho e com capacidade para auxiliar na irrigação de lavouras de até dois hectares. A proposta compõe o Programa Avançar na Agropecuária e no Desenvolvimento Rural, faz parte do Eixo Estratégico Irriga + RS e foi uma das medidas anunciadas para reduzir os efeitos da seca que atinge o Rio Grande do Sul.

As famílias que serão beneficiadas com a instalação dos açudes no município já foram selecionadas. O projeto de execução está sendo elaborado pela Emater e o órgão estima que a construção inicie nos próximos meses.

QUADRO: PERDAS NO CAMPO
Fonte: Emater/Ascar

Milho – cerca de 50%
Prejuízo estimado: R$ 2,8 milhões
Soja – cerca de 40%
Prejuízo estimado: R$ 63 milhões

Olerícolas – em torno de 60% entre janeiro e fevereiro
Prejuízo estimado: R$ 9,7 milhões

Olerícolas Frutíferas – cerca de 30% em média
Prejuízo estimado: R$ 1,7 milhão

Pecuária Leiteira – cerca de 50%
Prejuízo estimado: R$ 1,55 milhão

Pecuária de Corte – cerca de 40%
Prejuízo estimado: R$ 58 milhões

Total: R$ 136,76 milhões

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome