Evento alusivo à Consciência Negra é realizado em Morro Redondo

Atividade ocorreu na quarta-feira (30). (Foto: Diones Forlan/JTR)

Evento alusivo ao Dia da Consciência Negra foi realizado na quarta-feira (30) em Morro Redondo, no Centro Cultural de Eventos Valdino Krause idealizado pela vereadora Vivian Rickes Rosa (PSDB). A ação contou com a presença de representantes do Grupo Tropa da Dança e do Projeto Escola de Artes e Ofícios do Samba, que é composto por profissionais da Educação e por personalidades do carnaval pelotense.

Conforme a vereadora Vivian o objetivo do evento é ter um momento anualmente para dialogar sobre a importância da data, bem como o respeito à cultura e diversidade, além de valorizar a representatividade negra. “Gratidão à direção do Colégio Estadual Nosso Senhor do Bonfim por aceitar esse encontro, aos professores que levaram seus alunos e seus trabalhos feitos durante esse mês em sala de aula, destacando a dedicação e todo carinho por pautas como essa que fazem toda a diferença para a formação dos nossos filhos, a participação dos alunos, que foi lindo”, disse. Ela ainda agradeceu a presença de representantes da Associação Quilombola Vó Ernestina, que em breve irão resgatar o Bloco e o olhar para a música com a profissional Sabrina Waltzer e à Suzana Munsberg, pelo carinho com a cultura do nosso município, ao jornalista Diones Forlan que acompanhou todo o encontro, vereador Thiarles Schneider (PT) que esteve presente e agradeceu todo empenho da vice-prefeita para que o encontro acontecesse.

A coreografa Cátia Carvalho da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) detalhou que o Grupo Tropa da Dança surgiu através do Projeto de Extensão Dança no Bairro do curso de Dança, em parceria com o Comitê de Desenvolvimento do Loteamento Dunas (CCD). Esse projeto se consolida há quase 10 anos através de ações artístico-pedagógicas em vários territórios da cidade de Pelotas com o apoio de diversas instituições parceiras. Ele surge com a proposta de democratizar a prática da dança a partir de elementos estéticos da cultura local e fortalecendo o sentido de pertencimento ao bairro, constituindo-se como espaço que promove a legitimidade de cada sujeito na convivência humana e estimula a produção de saberes no campo da arte.

O Tropa da Dança traz como proposta artística, coreografias de danças urbanas, funk e dança do passinho. As coreografias surgem de um processo de criação coletiva e tem como sua principal referência as manifestações culturais e populares do universo funk. A dança em cena vem para nos contar sobre os modos de vida e estéticas da existência dos jovens e da comunidade do Dunas. Os corpos dançantes transbordam movimentos experimentados nas oficinas de dança, nas ruas, nas rodas de rap, nos encontros de passinho, nas festas, nos diferentes territórios de encontros. O funk é mais que um estilo musical, é uma forma de expressão. Assim, com suas músicas, danças, corpos, atitudes, onde os bailarinos e as bailarinas do Tropa da Dança tornam visíveis suas formas de se comunicar e de se colocar diante do mundo.

O grupo é formado por Bailarinos, bailarinas, jovens e crianças do loteamento Dunas, periferia de Pelotas. Os componentes são Andrei Silva, Kauana Almeida, Raíssa Lacerda, Milena Rodrigues, Lavínia Rodrigues, Maria Laura Almeida, Bettina Carvalho, Thayla Madeira, Endriw Marques, João Pedro Almeida, Maria Eduarda Silva Feira, Bryan Amorim, Sabrina Vieira, Emelinne Dias. Na concepção coreográfica e Direção Artística estão Catia Fernandes de Carvalho e a criação e confecção de figurinos conta com Liriel de Leon, Willian Furtado e Larissa Martins (Ateliê de Figurinos UFPel).

“No palco hoje sentimos um ambiente acolhedor e caloroso, no qual cada dançarino do grupo Tropa da dança que ultrapassou as fronteiras do bairro da periferia de Pelotas pra se apresentar em Morro Redondo foi valorizado e reconhecido como artista pelo público espectador. Houve uma intensa troca de vivências culturais com a comunidade escolar, sendo a arte linguagem que comunica e que tem efeitos transformadores num processo de formação humana, mais plural, diálogo e com empatia ao mundo do outro”, disse Cátia.

Conforme Rosana Martins dos Santos, professora da rede estadual de educação, lotada no Instituto de Educação Assis Brasil,  coordenadora do Conselho de Educação, em um dos eixos Projeto Arte e Ofícios do Samba, da entidade carnavalesca Academia do Samba e atual presidente do Bloco Burlescos Bafo de Onça, a participação na atividade atendeu convite da rainha da bateria da Academia do Samba, Fernanda Fersula. Na ocasião, Rosana expôs experiências de vida tanto da área acadêmica, profissional e carnavalesca com a temática: Cultura Popular Carnaval no Espaço Escolar.

Fernanda, que também se apresentou, falou da ligação com o Carnaval, a história e interagiu com os alunos, ensinando um pouco de como sambar. Além disso, falou sobre a oportunidade de estar em Morro Redondo num encontro da Consciência Negra. “Infelizmente a cultura negra ainda é muito marginalizada, e poder mostrar como é realmente o Carnaval, o que está por traz dele, e o que é de fato uma escola da samba é fundamental pra que as novas gerações enxerguem a nossa cultura com respeito”, disse.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome