Ponto e vírgula

Dinheiro à vista

Na última terça-feira (15), após o Senado aprovar por unanimidade o texto-base do projeto que permite a partilha de recursos do leilão do pré-sal, estados e municípios receberão parte do valor arrecadado, falta apenas o presidente sancionar.
O projeto prevê pelo critério do Fundo de Participação dos Municípios, a seguinte forma de distribuição: 30% do que a União arrecadar será destinado aos entes federados, 15% para Estados incluindo o Distrito Federal e 15% para municípios. O Rio Grande do Sul receberá aproximadamente R$ 450 milhões e os municípios gaúchos mais de R$ 700 milhões. Porto Alegre receberá R$ 29 milhões.
Confira a estimativa de valores para a região de abrangência do Jornal Tradição Regional de acordo com a Confederação Nacional dos Municípios.
Os municípios de Arroio do Padre, Cerrito, Morro Redondo, Pedro Osório e Turuçu receberão R$ 862.607,38 cada um, outros municípios os valores serão maiores conforme demonstramos abaixo.
Arroio Grande (R$ 1.725.214,77), Pelotas (R$ 7.379.191,83), Canguçu (R$ 3.162.893,74), Pinheiro Machado (R$ 1.150.143,18), Capão do Leão (R$ 2.012.750,56), Piratini (R$ 1.725.214,77), São Lourenço do Sul (R$ 2.875.357,94) e Jaguarão (R$ 2.012.750,56).

Criança

Mês de outubro comemoramos o Dia da Criança, e este colunista faz um alerta.
Procure e encontre tempo para estar com seus filhos, não deixe o hoje escorregar por entre os dedos, o filho crescer e talhar em você a triste sensação de que não o conhece.
Os filhos querem atenção, querem ouvir um sim. Já refletiu que de 0 a 7 anos a criança ouve milhares de vezes a palavra não. Não sobe aí; não faz assim, tu vais te machucar; aí não pode mexer; não, mamãe não quer que você ponha isso na boca; e assim sucessivamente a palavra não está incorporada a vida da criança.
Criamos nossos filhos dizendo não para quase tudo, quando eles crescem alguns se tornam adultos inseguros diante das situações impostas pela vida. Ser mais positivo, dizer sim, oferecer segurança nos desafios, participar das aventuras pode ser um bom começo, afinal viver é uma aventura.

Mamografia

Na última quarta-feira (16), no quadro “Tô na Rua” do programa Hora Marcada – que apresento na Rádio Tupanci de segunda a sexta-feira, das 8h às 9h45 -, estive visitando o Mama Móvel (Caminhão adaptado com toda a estrutura para executar exames de mamografia) da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), Sistema Único de Saúde (SUS) e outras instituições que tem o nome adesivado no veículo.
Para minha surpresa, o veículo apenas decora a frente do Hospital Escola (HE), pois segundo informações obtidas no HE o equipamento está desde a última semana com uma peça estragada. O desrespeito a quem se dirige até lá para realizar o exame torna-se evidente, uma vez que, ninguém, nem UFPEL, nem EBSERH e muito menos a Secretaria Municipal de Saúde de Pelotas fizeram algum comunicado à população que o mamógrafo não está funcionando.
Volto a cobrar dos gestores públicos: Quem tornará público as informações se a mamografia é oferecida à população feminina anualmente e quantos exames são oferecidos no mês de outubro durante a campanha?
Lembremo-nos que todas as mulheres devem fazer o exame a partir dos 50 anos de idade e aos 35 anos às que tem histórico familiar.
De que adianta a população através da campanha Outubro Rosa tomar consciência de que tem que fazer o exame para prevenir o câncer de mama, se falta consciência aos gestores da saúde!

Esta coluna coloca à disposição este espaço jornalístico a qualquer pessoa correlacionada ao conteúdo publicado, preservando o direito ao contraditório.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome