O Dia em que Dom Pedro viuvou em Rio Grande

José Henrique Pires licenciado em Estudos Sociais pelo ICH-UFPel, especialista em Políticas Públicas pela Universidade de Salamanca, Espanha, jornalista e radialista. (Foto: Divulgação)

Dezembro é mês repleto de datas que evocam lembranças. São tantas, que trato aqui de uma quase esquecida.

Corria o ano de 1826 e Dom Pedro I estava em São José do Norte e Rio Grande quando, no dia 16 de dezembro, chega um barco com a notícia de que, desde o dia 11, o Imperador estava viúvo: naquela data, Dona Leopoldina havia falecido.Naqueles tempos, mesmo as más notícias demoravam um pouco para chegar. Hoje, são quase instantâneas. Fazia o quê Dom Pedro na futura Noiva do Mar naqueles dias?

De lá acompanhava o andamento das ações militares da Guerra da Cisplatina. “Cis” é palavra em latim e quer dizer aquém, para cá.

Em síntese: Guerra pra cá do Rio da Prata (Platina). Exatamente o atual território uruguaio.
Fosse do outro lado, seria Transplatina, pois é exatamente o que Trans significa em latim.


Hoje, quando acompanhamos nos noticiários as manobras militares e políticas na Cisjordânia, pode se perceber tratar-se de território “antes” da Jordânia.
Quando alguém lembra que o Drácula era um nobre da Transilvânia, pode perceber que ele era de “depois” da Silvania (silvan=floresta).
Um Conde de Depois da Floresta!
Dito assim, assusta menos…


O uso específico dessas expressões em latim agora ganha largo espaço nos debates que tratam de sexualidade.

E, não raro, causam confusão. Mais pelo Cis do que pelo Trans.

O Cis – aquém/pra cá – que poderia fazer pensar que Cisgeneros são pessoas que estão aquém do gênero sexual designado quando nasceram, não quer dizer isso.

O termo é empregado para uma associação direta ao sexo biológico.

Já Transgênero parece apontar para uma designação certeira: pessoa além do gênero.

Há quem entenda que no campo da sexualidade a expressão Cis não esteja sendo devidamente empregada, mas como estudiosos do assunto não encontraram outra expressão melhor, usam essa mesma. E podem.


Interessante que isso acontece muito com as leis.
Ainda vigora o Decreto Lei 4657/42, assinado por Getúlio Vargas, Alexandre Marcondes Filho e Oswaldo Aranha. Está lá, no artigo 4°: “quando a lei for omissa, o juiz decidirá o caso de acordo com a analogia, os costumes e os princípios gerais do Direito”.


The All Pargatas é o nome do grupo musical que animará o baile que acontecerá em meio ao 9° Encontro Nacional da Tradição Gaúcha no Planalto Central, que vai até o dia 3 de dezembro, em Brasília.

No parque de exposições da Granja do Torto, a edição do Enatchê terá palestras e debates, coordenados pelo MTG-Planalto Central.


No badalado Hípica Hall em Brasília, a Embaixada dos Emirados Árabes Unidos recebeu 450 convidados para as comemorações do aniversário daquele país. Não é da tradição de países do Oriente Médio servir qualquer bebida alcoólica em seus eventos. Assim, para os brindes, os espumantes sem álcool produzidos na Serra Gaúcha foram os escolhidos e parecem ter caído nas graças de outras embaixadas. Um sucesso!


O Ministro da Justiça, Flávio Dino, será sabatinado pelo Senado nos próximos dias. É parte importante da liturgia que o conduzirá, caso aprovado, ao Supremo Tribunal Federal.
Na história recente do STF, não há notícia de um ex-governador que tenha alcançado a toga ministerial. Dino é Senador, com ainda sete anos de mandato no Senado. Na história recente, nenhum Senador foi sabatinado por seus pares visando o Supremo. Dino também é um ex-juiz federal, com mais de 20 anos de magistratura, que renunciou à carreira.

Também não há notícias de caso similar. São muitas as curiosidades que surgem a cada conversa em Brasília. Em todas elas, um consenso: é inegável o notório saber jurídico do candidato indicado pelo presidente Lula.

José Henrique Medeiros Pires é Licenciado em Estudos Sociais pelo ICH UFPel, Especialista em Políticas Públicas pela Universidade de Salamanca, Espanha e jornalista e radialista

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome