Como lidar com os momentos de estresse

A professora, mestre e nutricionista Bárbara Freitas. (Foto: Divulgação)

Enfim, gente. Chegamos aos tão temidos 3 metros do canal São Gonçalo. Para mim, tudo parece tão irreal que quase não consigo acreditar estar escrevendo essas palavras. Mas, infelizmente, não é. Isso realmente está acontecendo. Para as famílias que estão incrédulas tanto quanto eu e residem em área de risco, faço um único apelo: saiam de suas residências enquanto podem. Priorizem a vida de vocês e de seus familiares.

Buenas, gurizada! Em meio aos momentos de nervosismo e estresses aos quais temos vivido, é muito importante mantermos a calma para poder agir sob quaisquer circunstâncias que possam surgir em meio ao caos. Para isso, irei compartilhar com vocês algumas estratégias para controlar a ansiedade, a inquietação e as preocupações que nos afligem neste momento.

O estresse é ocasionado por uma série de fatores, inicialmente, em circunstâncias pontuais, não é prejudicial para a saúde, pois ele é considerado uma reação natural pela qual nosso corpo passa após vivenciar situações de perigo ou ameaça. Temos o estresse agudo que se encaixa ao momento o qual estamos passando, como períodos de intensas preocupações. O estresse agudo é caracterizado por episódios curtos e transitórios por meio dos quais entramos em estado de “luta” ou “fuga”. Neste estágio, os sintomas são passageiros.

Respiração acelerada, sudorese e tensão muscular são alguns sintomas que você, provavelmente, sentirá quando estiver em situações estressantes. Entretanto, no cenário atual, estes sintomas serão cada vez mais frequentes. Para isso, aprender a se controlar é fundamental e assim agir de forma assertiva quando precisar. Já distúrbios do sono, ansiedade mais prolongada, hipertensão arterial e, em alguns casos, acidente vascular cerebral (AVC) são os possíveis sintomas/comorbidades que você sentirá se o estresse passar a ser diário (crônico). Este pode ser prejudicial à saúde, sendo necessária ajuda profissional para evitar complicações graves, por isso aprender a controlar o estresse é muito importante.

Na sequência, confira algumas estratégias para autocontrole:

Praticar exercícios físicos regularmente, mesmo que você não tenha acesso a uma academia, você pode realizar caminhadas, pular corda e caminhar, por exemplo. Ter momentos de lazer, como passar tempo de qualidade com sua família e tentar manter uma rotina com horários.

Lembre que essas medidas não são simplistas ou superficiais, pois você que está em casa, que está lendo esta coluna, precisa estar bem para poder ajudar as pessoas que não estão.
Praticar técnicas de relaxamento, que consistem em parar, no mínimo 30 minutos por dia, faz com que você adote decisões e dê passos mais assertivos em relação às suas obrigações e em como você pode ajudar o próximo (meditação, ioga e escrever os seus sentimentos e uma folha, irão te ajudar).

Assim como procurar ajuda de um profissional quando necessário, neste período há vários profissionais se disponibilizando para atendimentos gratuitos e online, aproveite esse momento.

Manter uma alimentação o mais saudável possível. Em momentos de estresse, é natural que você se alimente motivado pelas suas emoções e sentimentos, que é o que chamamos de fome emocional. Nessas situações, é comum que acabe preferindo alimentos que não têm, necessariamente, grande valor nutricional. Contudo, as evidências mostram que uma alimentação saudável, rica em fibras, vitaminas, minerais e ácidos graxos poli-insaturados, como o ômega-3, são indispensáveis para ajudar o organismo a lidar com o estresse gerado em nosso corpo e conseguir voltar à normalidade. (Maçã, pêras, banana, brócolis, espinafre, couve, feijões, quinoa, arroz integral, nozes, peixes). Ingerir chás, fitoterápicos e utilizar ervas para controle da ansiedade também são muito eficientes: passiflora, valeriana, camomila, açafrão, ashwangandha, teanina, triptofano e magnésio.

Acima de tudo alguns pontos importantes. Não é necessário fazer estoques de alimentos em casa, por vezes, acabamos deixando quem precisa também sem alimentos, compre o normal de consumo da sua casa, ajude se puder, se esforce para isso, mas caso não possa auxiliar financeiramente, doe um pouco do seu tempo. Trabalhe, não se sinta culpado(a) por isso, precisamos mover a nossa economia, para poder ajudar quem perdeu os seus bens, precisaremos disto futuramente. Fiquem bem!

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome