Pesquisa da UFPel promove balanço sobre mil dias de Covid-19 em Pelotas

Grupo de Pesquisa da UFPel apresenta histórico dos mil dias de Covid-19 em Pelotas e alerta para o cenário atual. (Foto: Reprodução/Freepik)

Desde o primeiro caso confirmado de Covid-19 em Pelotas até a segunda-feira (19), passaram-se mil dias de impactos na saúde pública, sentidos na forma de infecções, hospitalizações e mortes. Para apresentar um balanço dessas informações, pesquisadoras e pesquisadores da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), do Grupo de Dispersão de Poluentes e Engenharia Nuclear (GDISPEN), divulgaram, na data simbólica dos mil dias, o resumo sobre a pandemia em Pelotas. Além de apresentar a síntese histórica, o estudo alerta para a intensificação no município: são 754 infecções registradas em 17 de dezembro de 2022, em comparação com 52 casos do mês anterior.

O Grupo de Pesquisa recomenda, considerando as festas de final ano, o reforço nos cuidados: higiene nas mãos, ambientes ventilados, máscaras em ambientes com aglomeração e testes, em caso de sintomas. O número de casos ativos no município, conforme o estudo, “provavelmente é bem maior” que os dados em poder dos órgãos de saúde, o que sugere cautela. Em razão da comercialização dos testes em farmácia a partir de 2022, as informações sobre os resultados positivos podem não chegar às autoridades sanitárias.

Histórico de Mil Dias

O levantamento, com base nos dados da Secretaria Municipal de Saúde, aponta para mais de 105 mil casos e de 1,5 mil mortes em Pelotas durante os mil dias de Covid-19. Esses índices, segundo a pesquisa, são superiores à média do Estado e do País.

Em relação à vacinação em Pelotas, identificam-se “importantes desigualdades” por faixa etária. Cerca de 80% da população vacinável recebeu a terceira dose ou o primeiro reforço, mas a cobertura da população de 18 a 39 anos, nessa situação, está inferior a 60%.

O Grupo de Pesquisa reforça, assim, a importância de completar o sistema vacinal e da continuidade do trabalho de vigilância epidemiológica.

Durante os mil dias de COVID-19, Pelotas registrou um total de 105.216 casos e 1.553 óbitos. Nos últimos 30 dias (17/11 a 17/12), a cidade registrou um total de 1.728 casos (média de 57,6 casos/dia) e nenhum óbito. De 17/10 a 16/11 foram registrados 296 casos (média de 10 casos/dia) e 3 mortes, ou seja, um aumento de aproximadamente 6 vezes mais casos/dia.

A incidência atual é de 30.728 casos por 100.000 (cem mil) habitantes e a mortalidade é de 454,56 óbitos por cem mil habitantes, isto é, a cada 100.000 pelotenses, 454 foram a óbito por COVID-19. A taxa de letalidade é de 1,48%, ou seja, a cada 1.000 (mil) pessoas diagnosticadas com COVID-19, 15 foram a óbito. Além disso, em 17/12, Pelotas possui 102.909 pessoas recuperadas (97,8%) e 754 casos ativos (0,72%). Cumpre observar o aumento de casos ativos nos últimos 30 dias: em 17/11 eram apenas 52 casos ativos, e em 17/12 o número é 754.

A publicação completa com a síntese dos mil dias de Covid-19 em Pelotas está disponível no site do Grupo de Pesquisa.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome