Morro Redondo: Segunda reunião de Salvaguarda da Tradição dos Doces Coloniais é realizada

(Foto: Diones Forlan/JTR)

A segunda reunião de Salvaguarda da Tradição dos Doces Coloniais da Região de Pelotas e Antiga Pelotas foi realizada na quarta-feira (9), no Centro Cultural de Eventos Valdino Krause, comandada e orientada pelo novo técnico do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico (Iphan), no Rio Grande do Sul, Caetano Sordi. Na ocasião, houve também visita à fábrica de doces de Jordão Costa Gomes, agroindústria João de Barro e à propriedade agroecológica de Márcia Scheer.

Para conhecimento do novo técnico do Iphan relatou-se as demandas da primeira reunião, ocorrida ano passado, que visam ampliar as ações de preservação, legislação e burocracia para início de atividades, matéria-prima – algumas em extinção -, condições edafoclimáticas – relacionado ao clima e solo -, além da ampliação do conhecimento das tradições, aumento da produção de frutas e obtenção de políticas de salvaguarda que visem proteção, valorização e sustentabilidade.

Foi apresentado pela Secretaria de Educação, Cultura e Desporto ações que estão sendo feitas no município para preservar esta tradição, sendo trabalhado com apoio de professores e do museu, que explicam aos alunos o que são os doces, a importância para o município. Buscou-se também apoio das universidades que potencializam formas de proteger e criar ações para manter a salvaguarda para alunos da escola de educação infantil e com os alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA), por intermédio de atividades de culinária por meio de receitas.

Além disso, o grupo de mulheres quilombolas Pérolas Negras está valorizando os conhecimentos resgatando suas memórias. Artesãos com artesanato voltado ao saber do doce colonial utiliza pinturas em tecido, em madeira, palha de milho e com bonecas preservando o imaterial para manter vivas essas memórias. Já o Museu de Morro Redondo começou um trabalho neste ano de resgate da história das indústrias de conservas.

Outro aliado é o grupo de Salvaguarda e de Sistema Agroflorestal (SAF) doceiro que está resgatando as variedades de frutas que se tinha na região, onde na segunda segunda-feira de cada mês o grupo se reúne numa área demonstrativa cedida pela secretaria de Desenvolvimento Rural e Turismo através de mutirões. E as invernadas do Centro de Tradições Gaúchas (CTG) Cancela Grande trabalham temática da tradição doceira despertando desde pequenos o interesse por manter a nossa tradição com memória viva.

“A partir do próximo ano queremos fazer um planejamento de ações com eixos que possam ter um acompanhamento mais seguido e que possam resolver através de diálogo com os responsáveis pela vigilância sanitária, visando a viabilização dessa produção para comercialização, apoiando a educação patrimonial e o trabalho de resgate das culturas pelo grupo do SAF doceiro que conta com apoio da Emater e Embrapa.

Participaram da reunião o prefeito Diocélio Jaeckel (PTB), presidente da câmara Silvia Wahast Islabão (DEM), vereadores Thiarles Schneider (PT), Marcos Pereira (PTB) e Marcio Zanetti (DEM), além da assessora do deputado estadual Pedro Pereira (PSDB), Angélica dos Santos e o assessor do deputado estadual Zé Nunes (PT), Denis Peglow. Os secretários municipais, representantes da Emater/Ascar municipal e do Arroio do Padre, da Embrapa, da Associação dos Empreendedores de Turismo de Morro Redondo, da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), do Museu de Morro Redondo, do CTG Cancela Grande, dos Quilombolas e dos doceiros também estiveram presentes.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome