Em maio, CTG Lanceiros da Querência Bernardino de Armas completa mais um ano de história

CTG completou 30 anos em 2020 (Foto: Divulgação)

Cultivando as tradições e todo amor pelo Rio Grande do Sul, no dia 18 de maio o CTG Lanceiros da Querência Bernardino de Armas completou 30 anos de existência em Jaguarão.

Devido à pandemia da Covid-19, o rodeio de aniversário foi cancelado e as comemorações foram todas online com os peões e prendas contando um pouco da história do CTG. Também aconteceu uma mateada virtual.

Tendo como padrão o senhor Roberto Pinto, atualmente a instituição conta com centenas de sócios, invernadas mini mirim, mirim e juvenil.

Em sua declaração, o patrão parabenizou a todos integrantes do CTG. “Que venham muitos anos ainda para que juntos possamos seguir levando as tradições para os jaguarenses”, disse.

A história da Fundação
No ano 1983, acontecia em Jaguarão uma gineteada. Debaixo de um mato de eucalipto, enquanto aguardavam o churrasco de fogo de chão se aprontar, cinco peões proseavam e mateavam. Dois deles, primos-irmãos, Dorival e Joel de Armas, passaram a relatar aos demais, como tinha sido a experiência deles, lá pelos lados de Brasília, onde foram trabalhar na lida campeira. Eles estavam impressionados como lá havia piquetes tradicionalistas e até CTGs , orgulhosos de como o Rio Grande estava bem representado com suas tradições fora do estado .

A prosa evoluiu e surgiu a ideia da família de Armas, representada por Bernardino, Carlos Alberto, Joel, Dorival e mais um amigo Roberto Sais de fundar o primeiro piquete da cidade, que recebeu o nome de Lanceiros da Querência. Outros familiares e amigos se agregaram e o grupo, bem organizado, uniu-se com o Sindicato Rural de Jaguarão, presidido pelo Dr. Fernando Corrêa Ribas e promoveu o 1º Rodeio Internacional (Brasil/Uruguai) com muito sucesso no ano de 1985.

Com a renda desse rodeio, foi dado início ao alicerce do Galpão, em um terreno cedido pelo tropeiro Bernardino de Armas, ao lado de sua casa no Corredor das Tropas para sediar o Piquete Lanceiros da Querência.

Durante 5 anos a família De Armas e a gauchada ali se reunia, num pequeno carramanchão, onde enquanto alguns ofereciam sua mão de obra em regime de mutirão, ou contribuíam com material de construção, outros se divertiam, cozinhando, churrasqueando, ao som de gaita e violão, muitas trovas e causos, o Galpão ia sendo erguido. Até que em 18 de maio de 1990, ficou pronto e inaugurado com um baita
Fandango com o conjunto “Os Serranos”. Era o sonho realizado da agora já patronagem
do CTG Lanceiros da Querência, tendo como Patrão de Honra, Bernardino de Armas e
Patrão Fundador, Fernando Barreiros.

Três décadas se passaram e o CTG estava perdendo a sua finalidade social, cultural e
tradicionalista. Bastou um liderar que todos se aprochegaram; passaram a se reunir novamente e unidos retomaram as rédeas da entidade. Em novembro de 2016, o CTG voltou aos seus ideais tradicionalistas, quando reassumiu o Patrão Fundador, juntamente com sócios fundadores, antigos e novos sócios, formando uma patronagem que voltou as raízes ao tradicionalismo e normas do MTG . Em menos de um ano, a comunidade voltou a lotar o CTG, agora em seus eventos típicos gaúchos fandangos, entreveros, invernadas, mateadas, domingueiras, rodeios, honrando sua finalidade desde a fundação.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome