Capão do Leão: Caps Casa Vida promove a 2ª Mostra de Talentos com o tema “Ser diferente é normal”

Evento contou com a participação de diversos municípios da região (Foto: Divulgação)

Todo dia é de luta e combate à discriminação na saúde mental. Com essa certeza, acolhimento, empoderamento, afeto, alegria e liberdade foi marcado o evento voltado à reflexão em torno do reconhecimento e respeito a todos os cidadãos.
A atividade realizada pelo Centro de Atenção Psicossocial (Caps) Casa Vida, alusiva ao Dia de Combate à Discriminação e ao Preconceito na Saúde Mental, instituído por lei desde 2011, contou com a presença da comunidade e de visitantes dos municípios de Cristal, Pelotas, Bagé, São José do Norte, Cerrito, Pedro Osório e Morro Redondo.
Na abertura, a vice-prefeita e secretária de Educação, Gilciane Baldassari (PT), ao lado do secretário de Saúde, Wolke Rodrigues, da diretora do CAPS Casa Vida, Richele Matheus, e do vereador Marco Aurélio Gomes (PT), ressaltou a importância da luta pelo acolhimento aos usuários e parabenizou a equipe que atende a saúde mental no município.
Na programação, pela manhã, após a intervenção artística do Caps Casa Vida, “Ninguém solta a mão de ninguém”, teve início a roda de conversa com o tema “Saúde Mental: vencer o preconceito é um dos desafios”.
O momento foi de relatos, depoimentos e troca de experiências entre o público e os seguintes convidados: pesquisador da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e coordenador do CAPS Porto, de Pelotas, Isamir de Farias; enfermeira Adriane Eslabão; médico psiquiatra do CAPS Casa Vida, José Alberto Jr.; presidente da Associação dos Usuários da Saúde Mental de Pelotas (AUSP), Claudionei Ferreira; representante do Grupo Esperança e Los Loucos, Santa Helena Brem; e militante da luta antimanicomial, representante do Coletivo das Mulheres Ouvidoras de Vozes, Liamara Ubessi. No início da tarde, o vereador David Martins (REDE) participou com uma apresentação musical.
No encontro, o prefeito Mauro Nolasco (PT) fez uma fala entusiasmada, reforçando o compromisso do governo municipal em manter e defender o atendimento à saúde mental. “Os momentos são difíceis, mas podem ter a certeza de que, pelo menos, até dia 31 de dezembro de 2020, Capão do Leão será resistência. Vamos seguir lutando pela valorização das políticas públicas e dos direitos garantidos aos usuários da saúde mental, que necessitam de atenção, acolhimento e merecem todo nosso respeito”, declarou.
Após o almoço, o evento teve apresentação do grupo Oficina de Música, do Caps 2, de Bagé. A programação seguiu com as danças da Invernada Artística da Saúde Mental de Pelotas. Depois foi a vez do grupo da Oficina Terapêutica de Cristal apresentar a peça teatral “Sombras que rondam”, abordando a história da Psiquiatria.
Logo, o Grupo Vocal Esperança e Los Loucos animaram a tarde com show. Na sequência, os palhaços Tropeço e Flor fizeram uma dinâmica de grupo. O encerramento contou com a apresentação individual de Geovana Carvalho, do grupo Ouvidores de Vozes, de Pelotas, seguida pela apresentação musical de Wilson Santos, coordenador do grupo Los Loucos.
O evento ocorreu no dia 26 de julho, no Salão Paroquial da Igreja Santa Tecla.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome