Capão do Leão: Violência contra a mulher foi discutida no 1º encontro das redes de enfrentamento

O encontro aconteceu nas dependências do salão do Tribunal do Júri da Comarca de Pelotas (Foto: Divulgação)

Durante a segunda quinzena de agosto, o Juizado da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da Comarca de Pelotas, juntamente com a Coordenadoria de Políticas Públicas para as Mulheres de Pelotas e Conselho dos Direitos da Mulher de Capão do Leão promoveram o primeiro encontro integrado das redes de enfrentamento à violência contra a mulher dos municípios integrantes da Comarca de Pelotas, que são Capão do Leão, Morro Redondo, Turuçu e Arroio do Padre.

O encontro aconteceu nas dependências do salão do Tribunal do Júri da Comarca de Pelotas e teve como objetivo qualificar, informar e trocar experiências entre os órgãos integrantes das redes de proteção da mulher dos municípios situados ao redor de Pelotas, dentre eles Rio Grande, Pinheiro Machado e são Lourenço do Sul.

Na ocasião, autoridades e representantes de órgãos governamentais ligados as causas da violência contra a mulher falaram sobre o tema, dentre eles, a juíza de Direito do Juizado da Violência Doméstica e Familiar da Comarca de Pelotas, Drª Michele Soares Wouters; a coordenadora de Políticas Públicas para as Mulheres de Pelotas, Roséli Ribeiro Ortiz; e a presidente do Conselho dos Direitos da Mulher de Capão do Leão e facilitadora Judicial da Justiça Restaurativa Construção de Paz, Clarice Aguiar Duarte. Também palestraram o promotor de Justiça, Dr. Décio Luis Silveira da Mota; a delegada Maria Angélica Gentilini da Silva; a capitã da Polícia Militar, Fernanda Caldeira; e a funcionária da Casa de Acolhida Luciety.

De acordo com Clarice, o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher foi criado através da lei municipal em 2014, porém a diretoria foi empossada a partir de 1º de julho de 2015 e atualmente conta com oito representantes governamentais e não governamentais. Para fortalecer a causa das mulheres, em 19 de julho 2018, foi criada no município a Rede Lilás, que nasceu do esforço da vice-prefeita Gilciane Saes Baldassari (PT) e da secretária de Cidadania e Assistência Social, Mariglei Argiles.

“Em Capão do Leão, salienta-se que a Rede Lilás não veio criar serviços e sim trazer visibilidade aos serviços existentes tanto no Sistema Único de Saúde (SUS), como no Sistema Único de Assistência Social (SUAS), potencializando, otimizando e qualificando as ações existentes”, afirmou Clarice, que acrescentou: “Como inovação temos o Centro de Referência Assistência Social (Cras) Leãozinho que trabalha com cerca de 50 famílias incentivando a geração de renda e com crianças até 72 meses de vida”.

Formada em Direito e atuante como facilitadora judicial, Clarice disse que este serviço que oferece métodos consensuais de solução de conflitos está sendo realizado ativamente no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), e que faz parte da Justiça Restaurativa e construção de Paz do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul como uma inovação e fortalecimento do trabalho.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome