Pronto Atendimento em São Lourenço do Sul passa a ser realizado na Policlínica 24 horas

Inauguração ocorreu no dia 31. (Foto: Catarine Thiel/JTR)

A Prefeitura Municipal de São Lourenço do Sul inaugurou no sábado (31) a Policlínica 24 Horas. Desde as 00h do domingo (1º) a unidade de saúde passou a acolher e atender pacientes com problemas considerados de baixa complexidade. Anteriormente, o serviço era prestado na Santa Casa do município, mas a Prefeitura rompeu o convênio e passou a prestar os atendimentos em espaço próprio e de forma independente, onde antes era a Unidade Básica de Saúde (UBS) Central, conhecida por “Postão”, e que fica próxima da Santa Casa.

Segundo nota divulgada pela Prefeitura Municipal, os serviços prestados estão nos termos da legislação do Sistema Único de Saúde (SUS), especialmente no disposto na Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1980. Acolhimento e classificação de risco, atendimento médico em pronto atendimento são os principais serviços. Também estão aptos para administrar medicação (oral, sublingual, venosa, entre outras) e oxigenioterapia, controle de sinais vitais, irrigação gástrica, sutura simples, inserção de sondas e cateteres, e curativos de ferimentos agudos, além dos serviços já prestados pela UBS e, ainda, o acolhimento de pacientes com suspeita de Covid-19, com uma ala de entrada exclusiva para o atendimento destes.

Em seu discurso no ato de inauguração, o prefeito municipal Rudinei Härter (PDT) falou sobre a parceria que segue com a Santa Casa, e reforçou que esta não corre o risco de fechar, porque continua o convênio com o governo estadual, prestando o serviço de Pronto Socorro. Na ocasião, solicitou uma reunião com a Santa Casa para a entrega de mais de 130 colchões, máscaras, toucas, seringas, soro fisiológico, luvas, aparelhos eletrônicos e outros, para manter a qualidade do atendimento. Ele explicou que, com a inauguração da Policlínica, o município passou a contar com dois serviços de atendimento à saúde, e que ambos serão fiscalizados para entregar o melhor serviço aos lourencianos.

Impasses entre Prefeitura e Santa Casa causam uma morte
Na madrugada do domingo (1º) um homem de 70 anos deu entrada na Policlínica 24 Horas. Segundo nota da Prefeitura Municipal publicada em suas redes sociais, o paciente foi atendido pelos profissionais da unidade de saúde, realizou os exames de eletrocardiograma e laboratoriais e, posteriormente, foi medicado. A equipe verificou que o caso se tratava de alta complexidade e, por isso, tentou a transferência do paciente para a Santa Casa, que é responsável por prestar este serviço. “Assim, o profissional médico logo buscou pela transferência para o Pronto Socorro da Santa Casa, recebendo negativa dos profissionais médicos daquela instituição por mais de uma vez [ao todo foram três]. Até mesmo a regulação regional do SAMU recebeu negativa de transferência do paciente para o Pronto Socorro que por força de convênio com o Estado deve realizar este atendimento”, afirma a Prefeitura, em nota. O idoso faleceu enquanto esperava uma ambulância que iria levá-lo para a Santa Casa de Pelotas. Na noite de domingo (1º), outra ocorrência. Chegou ao Pronto Socorro do hospital um jovem de 15 anos que necessitava de transferência devido ao grau de seu caso. Segundo a Prefeitura, foi solicitado o acompanhamento do profissional da instituição durante a transferência, o qual foi negado.

Após estas afirmações, a Santa Casa de Misericórdia também emitiu nota explicando os fatos. “O médico de plantão na Santa Casa relatou à médica de plantão no PA [Pronto Atendimento] da Policlínica que não poderia aceitar o paciente, pois se tratava de uma emergência cardíaca, pelo fato da Santa Casa não possuir Unidade Cardíaca de Terapia Intensiva (UCTI).”, explicou. Sobre o transporte do paciente, a Santa Casa afirma que este é de responsabilidade do município, que deve contar com ambulância e equipe completa para acompanhar o paciente. Também explica que a situação de pacientes cardíacos, ou com AVC, foram previstas em reuniões com os responsáveis técnicos das duas instituições e, posteriormente, em reunião com a 3ª Coordenadoria Regional de Saúde de Pelotas.

Ficou acertado que o correto é encaminhar para um hospital de alta complexidade, que possui UTI. Em nota, a administração do hospital ainda afirma: “Não adianta colocar a população contra a Santa Casa, e abrir um serviço sem condições mínimas de estrutura para realizar um bom atendimento à população, sem equipe treinada e que saiba realizar um exame de ECG [Eletrocardiograma]”.

Denúncia ao Ministério Público
Na terça-feira (3) o prefeito protocolou junto à Delegacia de Polícia e o Ministério Público informações relativas a negativa de atendimento de profissionais da Santa Casa ao paciente que veio a óbito. “Esperamos que os culpados pelo fato sejam responsabilizados”, disse Härter ao departamento de Comunicação da Prefeitura.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome