Verão demanda cuidados com a pele e os cabelos

Cuidados devem ser redobrados nas praias, com aplicação de protetor solar regularmente em todas as partes do corpo. (Foto: Freepik)

Seja por lazer, necessidade ou trabalho, a exposição ao sol torna-se inevitável no dia a dia de quem precisa sair às ruas. Para isso, a fotoproteção é um dos passos mais importantes na rotina de cuidados com a pele e embora precise ser prioridade diária em qualquer estação, no verão, é importante intensificar seus cuidados, para que sejam evitados os riscos de queimaduras, câncer de pele e outros problemas graves.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) alerta que além do filtro solar, no verão, as pessoas acostumadas a atividades físicas e ao ar livre façam uso de chapéus e roupas de algodão, por serem materiais que bloqueiam a maior parte da radiação UV. Por outro lado, tecidos sintéticos, como o nylon, bloqueiam apenas 30% dos raios. Recomendações incluem ainda evitar a exposição solar entre 10h e 16h, sem excluir a necessidade do uso de óculos de sol, que auxilia na prevenção à catarata e outras lesões nos olhos.

Àqueles que optam por passar as férias na praia, as recomendações sugerem que a aplicação do protetor solar ocorra cerca de 30 minutos antes da exposição ao sol, lembrando que o produto deve proteger contra os raios UVA e UVB, tendo reaplicação a cada duas horas. Vale também atentar-se à distribuição do produto, que deve ser aplicado uniformemente em todas as partes do corpo, incluindo mãos, orelhas, nucas e pés, que muitas vezes acabam queimados pelo contato com a areia quente.

Aos que buscam um maior cuidado com os fios de cabelo, que tanto em contato com a água salgada do mar, quanto em contato com o cloro das piscinas possui a tendência de ressecar, a SBD lembra que óleos capilares nas pontas dos cabelos impedem que eles sejam danificados com o vento, sol ou maresia.

Quanto aos cuidados com tatuagens e cicatrizes – antigas e novas, que correm o risco de escurecer quando expostas ao sol, podem ser protegidas através do filtro solar, de adesivos ou esparadrapos.

Para as crianças, o uso do filtro solar deve ocorrer a partir dos seis meses de idade, utilizando um protetor adequado para a pele mais sensível, normalmente sinalizado ao público infantil na embalagem, todavia, recomenda-se buscar orientação com pediatra ou dermatologista sobre qual o melhor produto para cada caso.

A SBD reafirma também a importância da alimentação e da hidratação correta, incentivando o consumo de água, sucos de frutas e água de coco, além da ingestão dos alimentos que auxiliam na prevenção aos danos que o sol causa à pele, como cenoura, abóbora, mamão, maçã e beterraba, alimentos ricos em carotenóides, substância de ação antioxidante.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome