Zona Sul tem mais de R$ 1 bilhão em prejuízos no agro por conta das enchentes, aponta Emater

Os dados divulgados ainda não são definitivos, já que os efeitos climáticos seguem atingindo a região. (Foto: Samantha Beduhn/JTR)

Na quarta-feira (22), foi reali­zada uma reunião com gestores da agricultura dos 22 municípios que compõem a Associação dos Municípios do Zona Sul (Azo­nasul) para falar das perdas do setor em razão das enchentes. O encontro aconteceu na sede da associação, no centro de Pelotas. Os dados foram apre­sentados pelo gerente regional da Emater/RS-Ascar de Pelotas, Ronaldo Maciel. Segundo ele, os prejuízos contabilizam R$ 1,5 bi­lhão até o momento. Entretanto, o panorama de perdas ainda não está finalizado, já que a região ainda enfrenta fortes chuvas e também as consequências da cheia do Lago Guaíba.

A cultura mais atingida foi a soja, que soma 68,74% das perdas na região, ou seja, cerca de R$ 900 milhões. Até o dia 27 de abril, quando começaram as chuvas no Estado, tinha sido colhida apenas 47% da soja na zona sul. A produção do grão já estava prejudicada devido às enchentes de setembro de 2023, que ocorreram no começo do período de semeadura. Portan­to, o plantio foi concentrado e a colheita da soja estava em pleno andamento quando as cheias começaram.

Quanto ao arroz, a região teve 96% do grão irrigado colhi­do. Contudo, a cultura represen­ta 10,52% das perdas. Em relação ao milho para grão, também houve muitos prejuízos. Essa produção representa 7,26% do valor e só foi colhida 40% na região. Os bovinos de corte têm uma porcentagem de perdas de 3.16%, enquanto a do leite é de 0,41% e das hortaliças 0,53%. Outras culturas somam prejuízos de 9,38%,

Até o momento da reunião, o município mais afetado na zona sul foi Arroio Grande, com 18,20% das perdas; seguido por São Lourenço do Sul, com 17,20%; Jaguarão, com 15,35%; e Santa Vitória do Palmar, com 11,45%. “Já elaboramos Laudos Circunstanciados de Perdas de 22 municípios de abrangência do nosso regional, que compre­ende também os da zona sul, e também estamos fazendo esse contato com os produtores para ver o nível de perdas, principal­mente aqueles produtores que têm lavouras financiadas,” afirma Maciel sobre o trabalho da Ema­ter durante as enchentes. Ele diz que estão sendo realizadas vis­torias nas lavouras financiadas para que os produtores tenham acesso ao seguro de perdas.

Há também possibilidade de recursos via Ministério da Agri­cultura e Secretaria Estadual. Uma reunião para alinhar os novos passos foi agendada para a próxima quarta-feira (29), também em Pelotas, com as participações de representantes desses órgãos e do Incra, que poderá viabilizar ações mais es­pecíficas voltadas à agricultura familiar.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome