Lavoura de arroz está com o plantio da safra 2021/2022 concluído

32ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz e Grãos ocorrerá entre os dias 16 e 18 de fevereiro de 2022, na Estação Experimental Terras Baixas (ETB) da Embrapa, em Capão do Leão. (Foto: Arquivo/Adilson Cruz/JTR)

Apesar de ainda não possuir números fechados de área e evolução do plantio da safra 2021/2022, por questões administrativas, o Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), através da sua diretora técnica, Flávia Tomita, considera encerrado o plantio da cultura no Estado do Rio Grande do Sul.

“Conversando com os coordenadores regionais, constatamos que a semeadura está encerrada, pois tivemos uma janela de semeadura muito favorável, sem chuvas muito longas e muitas áreas preparadas antecipadamente”, diz a diretora.

No final do mês de setembro, o Irga divulgou uma intenção de plantio de uma área de 957.449 hectares no Estado, na safra 2021/2022, redução de 1,21% em relação à safra anterior, de 2020/2021. Já para o plantio da soja em rotação com o arroz, a estimativa é de crescimento de 15,37%, passando para 408.124 hectares. As primeiras lavouras de arroz começam a ser colhidas em fevereiro de 2022, mês em que ocorre o maior evento da cadeia orizícola, a 32ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz e Grãos em Terras Baixas (AOCA).

O evento ocorre pela quarta vez consecutiva na área experimental da Embrapa Clima Temperado. Esta edição ocorrerá entre os dias 16 e 18 de fevereiro de 2022, na Estação Experimental Terras Baixas (ETB), em Capão do Leão. Estão sendo preparadas áreas com arroz, soja, milho e pastagens para mostrar o avanço da ciência a um público estimado em 12 mil visitantes. O evento acontece novamente de forma híbrida, numa realização da Federarroz, com a co-realização da Embrapa e o apoio do Irga.

A 32ª edição seguirá o mesmo formato do evento anterior, com programação técnica com palestras ao vivo, participação de público presencial e online e, ainda, de uma área de 9,4 hectares com estandes de expositores e roteiros técnicos nas lavouras experimentais, com a participação de instituições públicas como a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), Embrapa, Irga, Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e as empresas privadas que mais investem em tecnologias para terras baixas.

O lançamento oficial da AOCA 2022 ocorreu no dia 27 de outubro, na sede da Farsul, em Porto Alegre, com a apresentação do evento e entrega das Pás do Arroz da edição de 2021.

A feira conta com a participação de diversos setores, com a expectativa de maior número de expositores no parque com máquinas, implementos, insumos, serviços, software, automotivo e instituições parceiras. Também serão realizados os dois pontos altos do evento, sendo a premiação “Pá do Arroz” – cerimônia que presta homenagem ao entregar o símbolo do trabalho do orizicultor a diversos produtores rurais e representantes de instituições públicas ligadas ao ensino, extensão e pesquisa agrícola e ao agronegócio – e o ato oficial de Abertura da Colheita, com a presença de autoridades do país e do Estado.

Programação em auditório
O programa técnico preliminar da próxima edição contemplará palestras, fóruns e debates, além de incluir a tradicional Reunião da Câmara Setorial do Arroz. Os temas inicialmente confirmados para serem tratados são sobre Pecuária, onde será abordado o consórcio com cobertura vegetal e custo de produção, e também sobre como obter foco para alcançar melhor eficiência do sistema. Além disso, está agendado o Painel Tecnologia e Inovação nas Propriedades Rurais, uma das atividades que foi cancelada no evento de 2021 devido ao temporal que danificou a estrutura do evento. Abordará, ainda, a relação entre Safras & Mercado e de custos de produção como diferencial estratégico.

Para fechar a programação, um momento dedicado ao próprio tema do evento, que tratará da produção de alimentos no pós-pandemia, com análise macro, consumo, mercado internacional e seus impactos locais, a situação da economia ao realizar projeções para o dólar, PIB e influências. A última proposta de conteúdo em auditório será a organização de um Painel Ambiental.

O evento seguirá todos os protocolos de biossegurança determinados pelas autoridades sanitárias. A infraestrutura do auditório na feira será montada em área ampla com cobertura e laterais ventiladas, com cadeiras dispostas como as regras exigidas de distanciamento social pelos órgãos de saúde em função da pandemia. O local pode acomodar cerca de 120 pessoas. O evento será transmitido ao vivo e de forma online para o público usuário da plataforma virtual.

Com informações da Assessoria de Imprensa

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome