Xangô e Xapanã serão os orixás regentes em 2020

Foto: Arte/JTR

Seja para aqueles que cultuam as religiões afro-brasileiras ou para aqueles que acham interessante saber qual orixá irá reger o próximo ano é de extrema importância devido aos papéis desempenhados. Os orixás atuam como verdadeiros guias e protetores espirituais individuais e também ao longo de determinados períodos, entretanto, ainda é difícil precisar quantos são eles.

Segundo o babalorixá Juliano de Oxum Epanda, o orixá é vida, é energia e faz parte da natureza. Além disso, exercem grande influência nas raízes espirituais brasileiras. O sincretismo com santos populares do catolicismo fez com que a religiosidade dos orixás ganhasse força.

No Candomblé, um ano é segmentado em três quadrimestres, diferentes orixás são revelados por meio dos búzios – Xangô e dois deles ainda não definidos. Já na Umbanda, utiliza-se a orientação dos astros para auxiliar na determinação do orixá, de modo que cada um deles é representado por um planeta.

Em 2019, o orixá regente era Ogum, trazendo momentos de luta e coragem. Para 2020, ambas as religiões têm Xangô como orixá regente em comum.

Xangô surge para contribuir com a justiça e fazer aprender com os erros do passado. Ele tem personalidade agressiva e atrevida, o que faz dele um orixá temido e respeitado. Sua principal simbologia é o machado de dois gumes, que pode servir para proteção ou punição.

Para o Batuque do Rio Grande do Sul, 2019 foi regido pelo orixá Xangô, marcado por um ano de resgates cármicos, da justiça, de término de ciclos. “Recebemos o retorno de todas nossas ações e de acertos de contas. Também foi o ano do fogo, com grandes catástrofes naturais, com o meio ambiente reagindo a toda exploração e o mau uso dos recursos naturais”, afirmou o babalorixá.

Babalorixá Juliano de Oxum Epanda fala sobre os orixás (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)

Aos que cultuam o Batuque, de acordo com o oráculo Ilê Axé Reino de Oxum Epanda e Xapanã Jubetei, o ano de 2020 será regido pelo orixá Xapanã, junto à Obá e Oxalá. Juntos, eles prometem transformação e descobertas, principalmente, de curas para doenças, além de um ano de cuidado com a saúde.

“Janeiro e fevereiro será regido por Xapanã com Oyá, que trará um movimento geral para a Terra, ventos de coisas boas. Já março e abril, Xapanã estará reinando com Obá, cortando todas as doenças e energias negativas. Para maio e junho, Xapanã vem com Oxum, trazendo toda a bonança, abertura de novos ciclos, para que a população seja vencedora de todas as atrapalhações espirituais, traz também a fertilidade. Já de junho até o final do ano, entrará Oxalá, trazendo a calmaria, o poder da paz, junto à Xapanã, irão trazer o poder da cura, a cura material e espiritual”, revela o babalorixá.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome