Tu consegues desconectar?

Vivemos em um mundo acelerado e somos bombardeados com trilhões de informações o tempo todo. Nossos smartphones, tablets, relógios e computadores nos demandam atenção durante 24 horas todos os dias. Cada novo aplicativo desenvolvido é projetado para captar por mais tempo a nossa atenção e o resultado das grandes empresas de tecnologia é medido pelo número de horas que dedicamos nas suas redes sociais.

Verificamos, compulsivamente, as atualizações do celular. Qualquer apito, toque ou vibração nos retira mentalmente de onde estamos e nos leva a um mundo imaginário e virtual, um mundo no qual o número de curtidas e a opinião de desconhecidos molda nosso julgamento sobre o que é real ou falso, sobre o que é “fato ou fake”.

Quando tomamos consciência – ou quando alguém no mundo físico nos traz de volta para a realidade –, percebemos que se passaram 30 minutos, uma hora, duas horas, sem que sequer tivéssemos tempo de ir ao banheiro, resolver aquele problema que estamos procrastinando há três dias ou tomar aquele copo de água que planejamos no dia anterior.

Será que percebemos que as coisas realmente importantes da vida da gente vão embora junto com a quantidade de cliques nas redes sociais? O brincar com o filho, o café tomado sem pressa, o jantar em família, o contemplar do vento nas folhas das árvores?!
Checar o e-mail, o Instagram, o Facebook ou o WhatsApp inúmeras vezes antes do meio dia não nos tornará mais produtivos, nem mais eficientes.

O hábito de contemplar a natureza, ouvir o som dos pássaros, do mar ou até do trânsito nas grandes cidades (desde que conscientemente observado), assim como o controle da respiração e da velocidade com que mastigamos o almoço podem transformar nossa saúde, relações e a forma como enxergamos o sentido das nossas ações e decisões. Uma pausa para o café, uma caminhada até a esquina, uns poucos minutos de olhos fechados, um alongamento, um bilhete, uma foto. Enfim, existem infinitas possibilidades de pausas durante um dia de trabalho, ou mesmo de lazer ou de folga.

Tudo o que precisamos é de uma pequena pausa para respirar e seguir em frente, mas será que conseguimos driblar os gatilhos criados para captar a nossa atenção e abrir espaço para aquilo que realmente valorizamos?! Será que conseguimos realmente desconectar não só das redes, mas de todos aqueles pensamentos conectados a ela? Será que conseguimos focar e dedicar atenção total para aquilo que estamos vivendo em determinado momento, ao lado das pessoas que amamos, fazendo coisas que nos tragam leveza e paz? Ou mesmo em momentos em que estamos sozinhos?

Diariamente, recebemos um presente ao acordar: o tempo. Te convido, então, a praticar o hábito de colocar pausas nesse tempo e curtir profundamente cada momento desconectado para que lá na frente percebas o quanto estas pausas valeram a pena e trouxeram grandes benefícios para tua vida. Pratique a pausa!

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome