Depois que o samba parar

Todo ano é assim, o povo vive a ilusão de mais um Carnaval. A festa popular é bastante conhecida, pelos desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro e está atualmente no Guinness Book como o maior Carnaval do mundo, com um número estimado de 2 milhões de pessoas, por dia, nos blocos de rua da cidade. Em 1995, o Guinness também declarou o Galo da Madrugada, da cidade do Recife, como o maior bloco de carnaval do mundo, mas por todo o Brasil a contraditória folia anima as pessoas e faz suas vítimas.

Quando termina a festa do Carnaval começa o inevitável choque de realidade, pois infelizmente, a alegria das pessoas virou um grande comércio, enquanto muitos milhões se divertem por prazer, em nome da alegria, outros poucos faturam alto e o país contabiliza mortes por ingestão de álcool, drogas e violência no trânsito. Os bandidos, em todas as esferas, estão por todas as partes, se aproveitam do estado de transe da população para realizar assaltos. O conjunto de atos violentos contra a sociedade vai desde a explosão de caixas eletrônicos por bandidos comuns até práticas mais arquitetadas, embora antigas como o aumento de impostos (água, luz, combustível, taxa de juros…).

Na origem, o Carnaval é uma festa que é marcada pelo “adeus a carne” que a partir dela se fazia um grande período de abstinência e jejum, como o seu próprio nome em latim “carnis levale”. A festa teria surgido na Grécia em meados dos anos 600 a 520 a.C, os gregos realizavam seus cultos em agradecimento aos deuses pela fertilidade do solo e pela produção. Grande ironia… com o atual aumento do preço da carne e de outros alimentos, o jejum do brasileiro vai ser inevitável, a inflação bate à porta e junto vem as contas vencidas, o IPVA, IPTU, o material escolar e o terrível Imposto de Renda.

Aqui me coloco totalmente favorável aos festejos populares, eventos riquíssimos, na forma da preservação cultural de várias regiões do Brasil, inclusive o Carnaval. Também a favor do samba, um gênero musical de raízes rurais, africanas, com suas características originais e símbolo da cultura negra que se alastrou por todo o território nacional.

Sou contra a prática de escravização e exploração do povo, em nome de uma celebração tão marcante para nossa gente, como o Carnaval. Depois que o samba parar, a vida tem que continuar, mas com dignidade, nossa gente não pode continuar refém de oportunistas, daqueles impostores de discurso alegórico e maquiavélico.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome