A magia de viver o espírito de Natal

Manoel Jesus, educador. (Foto: Divulgação)

A chegada de dezembro alerta que, ali adiante, está a celebração do Natal e rituais de mudança de ano. Para diferentes pessoas que se pergunte o que as festas significam vão se ouvir variadas respostas. Uma criança será pura expectativa, enquanto o adulto mais envelhecido dirá que já aconteceram festividades melhores, em especial quando pessoas que fazem falta estavam presentes. É Natal e Ano Novo, precisando ser a reenergização da fé (consequentemente, religiosa) e também no ânimo de enfrentar a própria vida.

Numa mensagem pelas redes sociais, li que pessoas que dizem não gostar mais destas festividades desperdiçam a oportunidade de fazerem a felicidade alheia. Em especial, quando se refere às crianças que aguardam os momentos que os adultos deveriam tornar mágicos. Quem lamenta o passado, fica preso nas (quem sabe, boas) lembranças e não se dá conta de que pode (e deve) fazer a mágica do aprendizado, com o condão de se abrir caminhos deslumbrantes para que outros aprendam e consigam se encantar.

Para além do consumismo, a infância é o lugar, por excelência, dos sonhos. Claro que a criança quer um brinquedo. Será impulsionador da magia. Mais do que ser caro, precisa atender àquele momento da sua vida e da sua fantasia. Este mundo encantado do qual os adultos precisam ser os guardiões, com a certeza de que se os tempos são diferentes e os brinquedos mais sofisticados, no entanto, o olhar de encantamento e a ternura querem galopar, planar, voar por dimensões que apenas a imaginação tem o poder de singrar.

Se espiar pela janela, verá que o Mundo não trata da mesma forma as crianças. Então, pode, sim, fazer campanhas em que se arrecadem alimentos, roupas, brinquedos, com a intenção de melhorar o Natal dos mais necessitados. Este ano, quando for participar da distribuição, faça diferente: leve seus filhos, sobrinhos, netos… Mostre a eles para onde estão indo os objetos que combinaram que fariam parte do “desapego” familiar. Se possível, deixe que entreguem, na partilha daquilo que, um dia, os fez mais felizes…

A pobreza e a miséria são as chagas mais tristes de uma sociedade que se diz “humanista” e “cristã”. Sair da zona de conforto dentro do próprio pátio ou do condomínio é imersão numa existência dura, mas real. Ir ao encontro nos bairros e periferias, ou onde pernoitam ao abrigo de uma marquise, é dizer que o pesadelo precisa ser tratado como tal e, dele, necessita emergir o homem/a mulher que dá sentido ao nascimento, vida, morte e ressurreição daquele Jesus que balbucia na manjedoura…

A magia de viver o espírito de Natal acontece ali onde uma criança sente (e não teoriza) a solidariedade: objeto que fez parte dos seus brinquedos incentiva a que outra ganhe o direito de também brincar. Se falhamos, enquanto adultos, em fazer uma sociedade mais justa, precisamos dar oportunidades, sem os nossos preconceitos, de que se encontrem nas suas diferenças, mas, especialmente, no que têm em comum: o condão mágico do encantamento. O sonho que ameniza o agora e dá sentido a não desistir da esperança!

Confira a versão para YouTube em https://youtu.be/wxRYakgg88I

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome