Programa de Equoterapia da Apae oportuniza o desenvolvimento dos alunos em Piratini

Atualmente oito crianças participam do programa (Foto: Nael Rosa/JTR)

A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Piratini (Apae) mantém programas de métodos alternativos para que crianças com problemas físicos e psicológicos possam ter estes reduzidos ou superados em alunos da entidade acometidos, por exemplo, de autismo, paralisia cerebral e todo e qualquer patologia causada por lesão neurológica.

A égua utilizada para a terapia chama-se Linda e já criou lanços com a comunidade. Ela foi cedida por seu proprietário para que a entidade possa manter a equoterapia, atividade que semanalmente proporciona aos seus participantes um contato com os equinos, animais que colaboram para melhoras possíveis em seus quadros.

A fisioterapeuta Renata Tarouco, responsável pelo programa, considera que a equitação, faz com que os praticantes com deficiência alcancem o desenvolvimento biopsicossocial.

“Quando eles estão sentados no lombo do cavalo, no nosso caso, da égua, o animal que por sua natureza e ao nosso comando tem um movimento tridimensional: para frente e para trás, para um lado e para o outro e ainda nas diagonais, proporciona aos alunos o envio de uma informação para o cérebro como se ele estivesse caminhando”, explica a fisioterapeuta.

Segundo Renata, isso ajuda muito a crianças que não tem a marcha, ou seja, que não tem o movimento ou a coordenação nas pernas, caso dos acometidos por paralisia cerebral. Mas há outros benefícios.

“Conseguimos ao mesmo tempo o fortalecimento e o relaxamento da musculatura, a melhora dos sistemas digestivo e respiratório, e no caso dos autistas, o desenvolvimento da afetividade, uma das dificuldades para eles”, explica.

Para Débora Souza, 24 anos, mãe da pequena Ana Júlia de cinco anos, portadora de graves problemas cerebrais, a melhora proporcionada pelos exercícios no lombo de Linda são perceptíveis.

“Desde que nasceu ela frequenta a Apae. Há um ano ela participa do programa e isso já fez com que ela conseguisse ter mais firmeza no tronco. Minha filha interage com o animal e isso também é positivo”, conta a mãe.

Renata também observa essa troca entre a égua e as crianças que usufruem ainda do contato com a natureza no amplo espaço da Associação Rural, parceira do programa.

“Outro dia chovia e a Linda estava brava e inquieta, mas bastou chegar o primeiro aluno para ela se acalmar. Ela já conhece eles e há uma troca”, afirma Renata.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome