Piratini: Juiz concede liminar e relatório do Caso Miriam não é apreciado pela Câmara

Relatório poderá não ser apreciado em setembro, como previsto. (Foto: Nael Rosa/JTR)

Na sessão ordinária do Legislativo realizada na quarta-feira (8) estava previsto que o relatório do processo disciplinar em que a vereadora Miriam Buchweitz (MDB) é alvo seria apresentado, para começar a ser analisado pelos parlamentares, o que acabou não acontecendo.

O motivo foi uma decisão em caráter liminar da Justiça, que atendeu a um pedido da defesa da parlamentar. Foi obtido um mandato de segurança para que os trabalhos da Comissão de Ética não avançassem por conterem irregularidades, segundo a decisão.

O juiz Higor Hamade deu um prazo de dez dias para que a Comissão se manifeste com relação ao assunto para, em seguida, julgar o mérito da questão.

Miriam é ré no processo disciplinar por ter afirmado, em março deste ano, que o presidente da Casa, vereador Manoel Rodrigues (Progressistas) contratou uma empresa inapta para ampliar a estrutura física da bancada do PDT. Ela também afirmou que o valor pago pela obra estava em desacordo com o praticado no mercado. Diante dos novos acontecimentos, o relatório poderá não ser votado em setembro, como estava inicialmente previsto.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome