Pelotas: Prefeitura entrega projeto do Hospital Regional de Pronto Socorro ao governo do Estado

Prefeita Paula Mascarenhas (PSDB) realizou a entrega do projeto para a secretária de Saúde do Estado, Arita Bergmann. (Foto: Daniel Batista/JTR)

Em cerimônia realizada na manhã desta sexta-feira (1º) a prefeita Paula Mascarenhas (PSDB) realizou a entrega do projeto do Hospital Regional de Pronto Socorro de Pelotas para a secretária de Saúde do Estado, Arita Bergamann, representando mais um passo na execução da obra, com expectativa de início em dezembro deste ano.

O complexo será para o atendimento de urgências e emergências, com capacidade para atendimento de casos clínicos e cirúrgicos. Classificado como Especializado tipo II, é considerado como hospital geral pelo Ministério da Saúde.

Projeto prevê a construção de novo prédio e reforma do atual Centro Covid. (Foto: Daniel Batista/JTR)

Os projetos foram elaborados pela empresa MEP Arquitetura e Planejamento, vencedora de licitação aberta no início do ano. O local será na avenida Bento Gonçalves, com 9.408 m² de área construída, e custo estimado de R$ 66,5 milhões, dos quais quase R$ 5,2 milhões serão utilizados para a reforma da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), atual Centro Covid. O empreendimento também ocupará área que hoje conta com repartições do Sanep, e da Secretaria de Desenvolvimento Rural, que serão transferidos.

Prefeita Paula Mascarenhas falou sobre a importância do Hospital para a região. (Foto: Daniel Batista/JTR)

O governo do Estado, por meio do programa Avançar RS, destinará R$ 55 milhões para as obras. Questionada sobre os cerca de R$ 11 milhões faltantes, a prefeita declarou que tem a expectativa de que o Estado, nos próximos anos, complemente. “Esses R$ 55 milhões o Estado estava considerando gastar ainda em 2022. Portanto, como a obra vai ser concluída no final de 2023, certamente o governo do Estado vai ter a capacidade para repassar essa diferença. Caso contrário, nós vamos buscar outras alternativas”, disse, citando como exemplo emendas e recursos próprios do município. “Mas eu não tenho dúvidas de que o Estado vai ter essa condição”, complementou.

Ana Carolina Potier, arquiteta e sócio-proprietária da empresa que realizou o projeto, afirmou que, conforme estimativa efetuada, considerando cinco funcionários por leitos, serão mais de 600 atuando no hospital, tendo como base os 121 leitos clínicos. O secretário de Gestão e Planejamento, Roberto Ramalho afirmou que, nas obras, a previsão é de que sejam 50 pessoas.

A titular da Saúde de Pelotas, Roberta Paganini, afirmou que ainda estão sendo dimensionados os equipamentos e os recursos humanos necessários para o funcionamento do hospital.

No total, serão 159 leitos. Destes, 121 serão clínicos, sendo 10 para Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) para adultos e 10 UTI pediátricas. Outros 38 leitos serão destinados para pronto atendimento, adulto e infantil, e diagnóstico por imagem, para recuperação pós-anestésica, e preparo e recuperação de cirurgia ambulatorial. Além disso, haverá cinco salas cirúrgicas. Serão ofertados, também atendimentos em cirurgia geral, traumatologia, bucomaxilofacial e cardiologia.

Conforme a prefeita, o hospital será macrorregional, com capacidade para atender pacientes de municípios da região de Bagé. Paula também destacou a importância do complexo para o município e para a região.

Anita se emocionou durante a fala. (Foto: Daniel Batista/JTR)

Em sua fala, a titular da Saúde do Estado, Arita Bergmann, ressaltou o projeto Avançar na Saúde, e a atuação do governador Eduardo Leite (PSDB) quanto às reformas econômicas no governo. Relembrando a atuação como secretaria de Saúde do município, entre 2011 e 2016, Arita se emocionou. “Nunca tivemos queixa dos profissionais do Pronto Socorro. […] Nós nunca tivemos dúvidas, nem problemas de qualidade técnica dos profissionais”, declarou Arita, citando que havia limitação de espaço no local onde se localiza o atual PS.

O tempo de execução previsto da obra é de dois anos. No primeiro, serão realizadas as obras de ampliação e do estacionamento, constituindo a primeira fase. No segundo ano, ocorrerá a continuidade da ampliação e a reforma do Centro Covid.

Conforme Paula, uma licitação deve ser aberta e efetuado um chamamento público em até 10 dias. A previsão é que a abertura dos envelopes seja feita em novembro, com o início das obras ainda em 2021.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome