Pelotas está há 52 dias sem assaltos no transporte público

Nas últimas dez semanas, apenas um caso foi registrado na cidade, que possui 150 ônibus em circulação, com 80 mil viagens diárias, além de 336 táxis e mais de 1,5 mil transportes por aplicativo. (Foto: Igor Sobral/Prefeitura Municipal de Pelotas)

Pelotas está há 52 dias sem registrar roubos a transporte público. Os dados do Observatório de Segurança Pública e Prevenção Social também mostram que, nas últimas dez semanas, apenas um caso foi registrado. Ao levar em conta o porte do município e, principalmente, as quase 80 mil viagens diárias feitas pelos 150 ônibus atualmente em circulação, o cenário é positivo e é atribuído ao trabalho integrado e colaborativo das forças de segurança.

Segundo o relatório, entre os dias 6 de fevereiro e 16 de abril, foi registrado apenas um roubo a transporte público. Entre 23 de fevereiro e 16 de abril, não houve casos do crime. Para o coordenador do Observatório, Samuel Rivero, é preciso considerar que Pelotas é uma cidade de grande porte, com muitos trajetos feitos por ônibus, táxis e transporte por aplicativo.

De acordo com dados da Secretaria de Transporte e Trânsito (STT), circulam pela cidade 150 veículos do transporte coletivo que, ao longo do dia, fazem aproximadamente 80 mil viagens. Em relação aos táxis, são 336 automóveis, enquanto o número de transporte por aplicativo estimado é entre 1,5 e 2 mil, que realizam o serviço diariamente, somado a casos eventuais.

“Essa é uma redução significativa, pois se trata de indicador que ajuda a medir a sensação de segurança da população, especialmente de quem faz uso do transporte público de todos os tipos”, declarou o delegado regional de Polícia Civil (PC), Márcio Steffens.

A PC atua na investigação criminal com as delegacias especializadas em Pelotas e, em relação ao roubo ao transporte público, tem conseguido dar uma resposta positiva ao lado das demais agentes da segurança.

Queda registrada ano após ano

A troca constante de informações entre as forças de segurança do município, em reuniões semanais das Operações Integradas e demais iniciativas do Pacto Pelotas pela Paz, é um dos motivos ao qual se atribui a redução do roubo a transporte público, conforme o coordenador do Observatório. Somado a essa articulação, está o policiamento orientado por dados e evidências produzidos pelo Observatório e a confiança mútua entre as instituições.

“Ao identificar cada alteração nos indicadores criminais, os olhares e os esforços dos efetivos são direcionados de maneira ágil, precisa e coordenada, otimizando os recursos e, consequentemente, melhorando os resultados das ações”, afirmou Rivero.

A queda nos registros de roubo a transporte público vem sendo registrada ano após ano. Na série histórica, entre 2017 e 2022, a diminuição foi de 83%, de 199 para 34. Além disso, os dados do Observatório mostram que, em setembro de 2016, o número desses crimes chegava a 38, em fevereiro de 2017, a 33. Ao longo dos anos, o cenário mudou. Em 2022, a quantidade de registros foi apenas de um caso, em fevereiro, e três ocorrências em setembro.

“O trabalho das equipes integradas reforça as ações que cada uma das instituições já desenvolve no dia a dia, e a troca de informações, planejamentos e união de esforços resultam nesses bons resultados”, declarou o comandante do 4° Batalhão de Polícia Militar (4º BPM), major Paulo Scherdien.

Além de barreiras de fiscalização e comboios integrados, o 4º BPM adotou estratégias, como ações de inteligência e ampliação de policiamento no horário de maior incidência criminal.

Alternativa traz mais segurança no transporte coletivo

Pelotas possui o botão do pânico instalado nos seus 150 ônibus em circulação. O dispositivo é realidade no município, há quatro anos, e, aliado ao GPS, também disponível em todos os veículos do transporte coletivo, é importante para evitar assaltos, já que os motoristas, em qualquer situação, podem acionar as autoridades de segurança por meio dele. Também é utilizado como ferramenta para mulheres vítimas de assédio sexual ou pode ser usada em casos de brigas entre passageiros.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome