Pelotas: Ecosul simula acidente com carga perigosa e múltiplas vítimas

Exercício promovido pela concessionária na BR 116 treina ação de equipes diante de ocorrência com feridos e danos ambientais. (Foto: Nauro Júnior/Satolep Press)

Cada minuto faz a diferença quando se trata de salvar vidas. Com o objetivo de aplicar e experimentar o conhecimento para atuação em acidentes, a Ecosul realizou na manhã desta quinta-feira (23) um simulado de ocorrência com múltiplas vítimas no km 509 da BR 116, na Balança do Retiro, em Pelotas. Cerca de 40 pessoas participaram da atividade que simulou a colisão de uma van com 19 passageiros em um caminhão carregado de óleo diesel.

De acordo com a gerente de operações da concessionária, Liliane Costa, o treinamento ocorre anualmente e é fundamental para sincronicidade entre os profissionais que estão na linha de frente dos atendimentos a acidentes no Polo Rodoviário Pelotas. “A agilidade no atendimento às vítimas e a correta condução dos protocolos é fundamental e faz toda a diferença, por isso esses exercícios são essenciais para mantermos a excelência dos nossos serviços”, destaca.

Na situação fictícia, criada para o treinamento, um caminhão tanque transportando óleo diesel se desloca pela BR 116, no sentido norte (Pelotas/capital), quando, ao reduzir a velocidade para acessar a balança, sofre uma colisão traseira de uma van que se deslocava no mesmo sentido. No acidente, o caminhão rompe uma válvula do tanque, derramando vários litros de óleo no local. O Centro de Controle Operacional (CCO) é acionado e começa o atendimento, com a participação de três ambulâncias do Serviço Médico e Resgate (SMR), viatura com médico, enfermeiro e socorrista, um guincho pesado e um leve, duas viaturas de inspeção de tráfego e um controlador de tráfego.

Para compreender in loco como é o primeiro atendimento à acidente, um grupo de 14 estudantes de enfermagem da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) participou como “vítimas”, ou seja, os passageiros da van. Para a estudante Isabela Finca, aluna do segundo semestre, a experiência foi reveladora. “Eu nunca tinha vivido nada parecido e achei importante ver de perto como é essa assistência às vítimas”, finaliza.

Além da dificuldade de um acidente com várias vítimas graves e óbitos, as equipes treinaram o protocolo de atendimento para derramamento de produtos perigosos. “Situações dessa magnitude necessitam ação imediata e criteriosa, onde precisamos salvar vidas e proteger o meio ambiente”, observa Liliane. Ela explica que após a primeira contenção, foi feita a avaliação de explosividade do produto e logo providenciado o transbordo da carga. Participam da atividade as equipes da Ecosul, Serviço Médico de Resgate (SMR), além da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e EmergenciAll Emergências Ambientais.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome