3º Congresso Mulheres de Negócios Zona Sul reúne mulheres de Pelotas e região

Evento contou com palestras e talk shows. (Foto: Luana Martini/JTR)

O Congresso Mulheres de Negócios Zona Sul, promovido pela Associação Comercial de Pelotas (ACP), chegou a sua terceira edição reunindo mulheres de Pelotas e de municípios vizinhos em um dia inteiro de programação, das 8h30 às 18h30, voltada para o protagonismo feminino na área do empreendedorismo. A Sede do Sicredi Interestado RS/ES recebeu, além de congressistas interessadas na temática, palestrantes e expositoras. O evento incluiu palestras, talk shows e uma Feira de Negócios que contou com cerca de 60 bancas, além de coffee break e almoço.

A abertura começou com um vídeo produzido especialmente para o evento, inspirado nas mulheres empreendedoras. Em seguida, a prefeita de Pelotas, Paula Mascarenhas (PSDB), o presidente da ACP, Fabrício Cagol, e a diretora de Mulheres Empresárias, Theia Bender falaram a respeito da essencialidade do evento, de sua influência no público feminino e, consequentemente, na sociedade. Após, o palco cedeu espaço a mulheres como Aline Poulsen, Nilva Maria Bellenzier, Liane Oliveira, Manuela Silveira, Silvana Fernandes Osband, Caroline Moreira, Geovana Quadros, Taís Barreto, Fernanda Moreira e Paola Longaray Fonseca.

Público de mulheres interessadas na temática esteve presente no evento que chega a sua terceira edição. (Foto: Luana Martini/JTR)

Em sua fala, Fabrício Cagol destacou o papel fundamental das mulheres no cenário atual. “Fazendo negócios, crescendo, desenvolvendo nossas cidades, nossa região, nosso comércio, nossas famílias, nossos filhos. E também se destacam em todas as atividades que permeiam nossa sociedade”, disse o presidente, que ainda enfatizou a necessidade de “com força, como sociedade, apoiar e fomentar essa vertente realizadora do universo feminino. Todos queremos que as mulheres tenham um papel de destaque na sociedade e precisamos respeitar isso”.

Fabrício ainda destacou que o resultado do protagonismo feminino ocasionará maiores rendimentos às próprias mulheres e sociedade, geração de mais empregos, maior sustentabilidade, qualidade de vida e, sobretudo, independência baseada em protagonismo, resultando em sucesso familiar.

Já a chefe do Executivo relembrou a trajetória do evento e elogiou as mulheres presentes pelo preponderância no cenário atual que viabiliza a realização do encontro. “Este grande evento começou pequeno, começou com algumas mulheres. Eu estive na primeira edição, lá no Pelotas Parque Tecnológico. E cresceu demais, cresceu com qualidade. E, na verdade, cresceu pela legitimidade que foi angariando junto à vocês porque é em função deste público feminino, de mulheres guerreiras, corajosas e empreendedoras que surgiu esse evento”, afirmou a prefeita.

Mauro Bom, ex-presidente e atual diretor Executivo da ACP, falou sobre o objetivo do evento. “A ideia é ser um ponto de convergência para juntar essas mulheres que empreendem, as que querem empreender, as que tem o próprio negócio, as que ainda não tem, as que tem esse desejo pra gente aprender um pouco com as experiências de outras mulheres e poder ‘fazer o da gente’. Então, qual é a ideia da Associação: é ser o elo de ligação; […] é mostrar que é possível, que tem gente fazendo, gente sendo bem sucedida”.

Feira de Negócios

A Feira de Negócios, concomitante ao evento, reuniu cerca de 60 expositoras. Produtos de beleza, acessórios, roupas, alimentos, serviços, artesanatos, entre outros estavam sendo apresentados por diversas mulheres no pátio externo do auditório do Sicredi. A Feira é considerada uma excelente oportunidade para as empreendedoras.

Feira de Negócios reuniu cerca de 60 bancas. (Foto: Luana Martini/JTR)

Esse é o caso de Vanessa Madruga, arquiteta que encontrou na produção de bijus artesanais uma nova oportunidade de trabalho. Após o início da pandemia, Vanessa teve seu horário de trabalho reduzido e, consequentemente, seu salário. Além disso, a empreendedora queria passar mais tempo com a filha. Baseado nesse contexto, ela decidiu, desde janeiro de 2021, empreender. Para ela, estar na Feira é uma oportunidade que agrega em seu trabalho. “É uma oportunidade única da gente que não temos locais físicos, no meu caso. É  muito importante a oportunidade de estar mostrando um trabalho artesanal, de encontrar colegas, de trocar informações com colegas. A gente vai criando uma rede de apoio, é uma oportunidade da gente estar chegando em mais pessoas com o nosso trabalho”.

Ingrid Beles diz que a Feira valoriza as mulheres e dá mais visibilidade ao trabalho desempenhado por elas. Ela também escolheu empreender a fim de passar mais tempo coma a filha. E, a partir daí, passou a fazer acessórios de decoração para quarto infantil. Ela vende para pessoas de todo o Brasil através de seu site, mas viu no evento uma oportunidade de oferecer um serviço mais específico ao cliente.

“Encontrar com meu potencial cliente e poder ver as necessidades dele, entender do que gosta, do que precisa, o que achou legal na loja e do que pode melhorar faz toda a diferença. É extremamente importante esse contato”, afirmou. Além disso, Ingrid comenta que as empreendedoras aprendem muito umas com as outras, ocasionando um crescimento mútuo.

 

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome