Audiência pública trata sobre serviços prestados pela Corsan em Morro Redondo

Reunião aconteceu na terça-feira (11), na Câmara de Vereadores, e contou com a presença de autoridades, representantes da Companhia e membros da comunidade. (Foto: Diones Forlan/JTR)

Nesta terça-feira (11), a Câmara de Vereadores de Morro Redondo sediou uma Audiência Pública sobre os serviços prestados pela Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) Aegea no município. A vereadora Letícia Santos (PSDB) foi a proponente do encontro. Participaram da reunião representantes do Legislativo, Executivo, diretores da Companhia e moradores.

Os populares relataram suas dificuldades, como na rua dos Girassóis, no final da avenida Jacarandá e na VRS 802. Gilberto Nizolli mora há quatro anos e seis meses na rua dos Girassóis e disse que a via não possui rede de água. “Queremos ter o mínimo que é ter água o quanto antes”, relatou. Maria Helena Armendaris, da Agroindústria João de Barro, na VRS 802, comenta que precisa de água tratada para fazer os produtos, mas que são raros os momentos em que o recurso chega nas torneiras e que necessita ter uma pressão maior.

O prefeito Rui Brizolara (União Brasil) citou a importância da celebração do novo contrato entre a Prefeitura e a Corsan Aegea até o ano de 2062. “Colocamos algumas cláusulas de obras a serem feitas, como a ampliação de redes em ruas que ainda faltam, além da conclusão da rede do São Pedro no máximo no período de um ano. Ainda foi assumido por eles a rede de água do Passo da Serra. Com isso, não teremos problema de captação da mesma por muitos anos”, pontuou.

Brizolara disse que o município ainda enfrenta problemas no abastecimento de água em determinados pontos, mas destacou o empenho das equipes em resolver os transtornos com obras frequentes. O prefeito pediu uma atenção especial na avaliação do reservatório do bairro Fiss, que necessita de manutenção, pois é fundamental para manter a pressão da água que abastece parte da cidade. O gestor citou ainda sobre o contrato que obriga a Corsan Aegea a reparar os danos nas vias depois do conserto do vazamento.

Já a vice-prefeita Angelica Boettge dos Santos (PSDB) reforçou os pedidos para extensões de rede nas ruas dos Ipês com Girassóis, Coqueiros, Crisântemos, no final da avenida Jacarandá nos arredores da fábrica de Conservas Neumann e na VRS-802. A gestora destacou o apoio da companhia em disponibilizar água bruta para que a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural e Turismo possa abastecer com caminhão pipa em torno de 100 famílias da zona rural ao longo do ano.

O presidente da Câmara, Thiarles Schneider (PT), reforçou os pedidos para melhor sinalização, principalmente para o período da noite nos locais de obras de manutenção, qualidade do reparo do pavimento, rapidez no conserto de vazamentos e as ligações de água das ruas novas.

Os vereadores Gilson Schwantz (Progressistas), Jorge Laudenir de Ávila (Zeca) (União Brasil), Marcio Zanetti (União Brasil), Maico Vega (União Brasil), Maria Augustina Ludtke (Tininha) (União Brasil) e Vivian Rickes Rosa (PSDB) participaram da audiência e reivindicaram soluções para as constantes faltas d’água no município, além da necessidade de solucionar os vazamentos para evitar o desperdício de água e mais atenção nos reparos das vias após as manutenções de rede.

A vereadora Letícia agradeceu a Corsan Aegea por ter atendido o pedido de participar da audiência, a presença das autoridades locais e, em especial, dos moradores, que puderam apresentar as demandas e ouvir um retorno sobre as possibilidades de atender o que eles reivindicaram. Letícia pediu ainda que seja feito a ligação das redes dos moradores num prazo menor e que disponibilizem mais maquinário para atender Morro Redondo, uma vez que o município depende da disponibilização de Canguçu.

O diretor operacional da Regional Sul da Corsan Aegea, Alexandre Calvetti, reforçou que o contrato dá respaldo aos prazos para cumprir as metas propostas. “Para o mais rápido possível pretendemos planejar as ações de obras das ruas que foram citadas, temos a ciência de que precisam ser feitas em seguida, a captação de água nos dá uma garantia de água no futuro”, frisou.

Quanto ao reservatório do bairro Fiss, será feita uma avaliação técnica para o que precisa ser feito. Sobre o serviço da terceirizada pediu que deem um retorno do tipo de serviço prestado, caso for necessário será discutido com eles os problemas apontados e dependendo poderá ser substituída a empresa. Calvetti apresentou dados das reclamações dos moradores do município de falta de água nos cinco primeiros meses do ano, acumulando 142 ocorrências, sendo 13 em janeiro, quatro em fevereiro, 11 em março, 36 em abril e 78 em maio. De acordo com o diretor, muitos registros foram devido à falta de energia e que para solucionar o problema, a Companhia se prontificará em disponibilizar geradores. Inclusive, apontou que está em fase de estudo a necessidade de ter geradores próprios em determinados locais.

No momento, estão sendo instaladas ventosas na rede para expulsar as bolhas de ar, o que acarreta em rompimentos ao longo da tubulação, além da necessidade de conserto e mais tempo para normalizar o abastecimento. Desde a metade de maio, foi investido em equipe de geofonia para escuta de vazamentos não visíveis, já em junho colocou-se as ventosas, ou seja, são válvulas instaladas na tubulação e mais os registros de ponta de rede, com investimentos em torno de R$ 83 mil, que incluem ainda consertos em redes que rompem por má funcionamento ou desgastes, além das contratações de equipes.

Mario Silva, gestor de Relações Institucionais da Regional Sul Corsan Aegea, disse que agora é um novo momento com o contrato que fixa o que vai ser feito dentro do prazo. “Hoje contamos com uma nova estrutura que traz uma rapidez na execução dos serviços, com um quadro maior de funcionários, tanto para o tratamento, operacionalização, mais equipes que atuam em consertos, setor de projetos e uma estrutura segmentada regional para atender seja qual for a demanda. Já tem equipe trabalhando para melhorar o sistema de operacionalização do sistema de Morro Redondo. Posteriormente repassaremos um cronograma de obras relacionados as demandas citadas nesta audiência”, expressou.

O novo coordenador operacional de Canguçu e de Morro Redondo, Darcy Costa, agradeceu a disponibilidade da retroescavadeira da Prefeitura em mais de uma ocasião que auxiliou na realização de serviços no município. “Temos oscilações no abastecimento, mas que com as obras em andamento pretendemos resolver os problemas, vamos seguir monitorando para atender as demandas que constam no Termo de Contrato (TAC)”, manifestou.

Com relação aos vazamentos visíveis, a empresa garantiu mais agilidade para os consertos. Já o consumidor que identificar ar na rede deve procurar a Corsan para analisar o caso. O maquinário vai ser verificado junto à terceirizada no que tange a demanda de serviços com o direcionamento no intuito de maximizar resultados. A Corsan também se comprometeu em fazer uma reunião nos próximos dias para definir um cronograma d extensões de rede a curto prazo para começar estas obras.  As sinalizações de trânsito preocupam a Companhia e será realizada uma conversa com a empresa para identificar melhor os locais de execução de obras. Garantiu ainda maior atenção nos reparos após os consertos e a avaliação do que será feito para chegar água no final da avenida Jacarandá, como visita a outros trechos para análise do que será necessário fazer.

Diretores da Aegea respondendo questionamentos. (Foto: Diones Forlan/JTR)
Público presente na audiência (Foto: Diones Forlan/JTR)
Morador Gilberto Nizolli reivindicando. (Foto: Diones Forlan/JTR)
Moradora Maria Helena Armendaris fazendo pedido. (Foto: Diones Forlan/JTR)

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome