Aproveitamento da Cera é tema de Encontro do Grupo de Apicultores de Morro Redondo

O local foi a propriedade da família de Cláudio Signorini, na comunidade São Domingos. (Foto: Divulgação)

Nesta quinta-feira (9), o Grupo de Apicultores de Morro Redondo realizou uma nova reunião. Dessa vez, o local foi a propriedade da família de Cláudio Signorini, na comunidade São Domingos, onde a filha, Chaiane, está começando uma criação de abelhas para produção de mel.

O grupo faz parte da Associação de Desenvolvimento Comunitário dos Produtores Rurais de Morro Redondo (ADCPR-MR). Criado em 2016, é organizado pelo Escritório Municipal da Emater/RS -Ascar e tem apoio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural e Turismo (SMDRT) e Embrapa.

Na abertura, a Extensionista Rural da Emater/RS-Ascar de Morro Redondo, Adriane Lobo, agradeceu a acolhida da Família Signorini e falou de sua satisfação em ver o grupo crescendo com a inclusão de novos integrantes.

Ela também reforçou a participação da ADCPR, na presença de seu presidente Eldon Bosenbecker, que também possui caixas de abelha e vai passar a fazer parte do grupo. Em sua manifestação, Bosenbecker também se disse satisfeito em estar no encontro e salientou a importância das abelhas na pequena propriedade, pois “quase todo mundo tem alguma caixa em casa, e é importante saber formas de produzir mais”, disse. O secretário da SMDRT, Antônio Martins, que não pôde estar na reunião, e enviou sua saudação ao grupo.

Cumprindo a agenda estabelecida na primeira reunião do ano, em fevereiro, esse encontro teve como tema o Aproveitamento da Cera e foi conduzido pelo pesquisador Luis Fernando Wolf, da Estação Cascata da Embrapa Clima Temperado. Wolf falou sobre a importância da cera dentro da colmeia e como se dá o processo de produção pelas abelhas. “A cera é o produto mais valoroso produzido pelas abelhas, por isso é bem importante sabermos aproveitá-la para podermos devolvê-la para as abelhas, facilitando seu trabalho e qualificando a produção”, discorreu.

Após algumas explicações sobre como manejar as lâminas no ninho, fazer as trocas de favos e quais as vantagens de cada modelo de caixa, foi desenvolvida uma parte prática, na qual houve o derretimento da cera para a formação do “queijo de cera”. Esse “queijo” pode ser trocado em lojas de apicultura pela cera laminada, baixando o custo de produção para o apicultor e melhorando sua qualidade.

O grupo está se organizando para poder utilizar equipamentos de forma coletiva e melhorar a qualidade do produto, como uma centrifuga para extração do mel e laminação da cera.

O apicultor Manassés Müller colocou seu equipamento de laminação e alveolamento da cera à disposição do grupo, já que são etapas importantes do processo de produção e que podem ser barateadas através do trabalho coletivo obtendo-se, dessa forma, a garantia da qualidade da cera, pois muitos apicultores se queixam da qualidade das lâminas de cera compradas, que em alguns casos chegam a ser rejeitadas pelas abelhas devido à grande mistura com outros ingredientes que apresentam. “Eu estou muito feliz com a produção de mel que tenho obtido, tenho um mercado garantido em Rio Grande e foi através da participação no grupo que fui melhorando minha criação e aumentando a produção, conseguindo gerar mais renda” disse Manassés.

Para Adriane, a melhor colheita do trabalho é “quando vemos que os participantes melhoram sua produção através das trocas de conhecimentos que o grupo proporciona. Com esses planos para qualificar o trabalho, temos certeza que o grupo irá muito longe”, pondera.

A agenda do grupo segue até o final do ano, sendo que a próxima etapa será a organização do IV Concurso Municipal de Qualidade do Mel, em abril, e a participação no IV Encontro Regional de Qualidade de Mel, que esse ano ocorrerá em Capão do Leão, no início de maio.

Confira mais fotos do encontro

 

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome