Em Canguçu, fumicultura é destaque na economia local

Município possui mais de quatro mil produtores de tabaco, com uma produção média superior a 20 mil toneladas. (Foto: Divulgação)

O município de Canguçu é considerado de forma oficial, a Capital Nacional da Agricultura Familiar desde julho de 2023, quando foi sancionada lei federal. O título foi dado ao município devido ao fato de possuir o maior número de propriedades em minifúndio, isto é, pequenas propriedades de terra utilizadas para produção familiar ou coletiva envolvendo o campo.

Uma delas está na localidade da Coxilha dos Cavalheiros, há 15 km da cidade, 1º Distrito do município, do casal Charles Winkel Griep e Alline Fonseca Dutra. Ambos são produtores de tabaco há mais de dez anos. Assim como tantos outros canguçuenses, a família tira seu sustento da fumicultura o que é motivo de orgulho.

Griep conta que o início da plantação ocorreu na chácara dos pais da esposa, mas que aos poucos, conseguiram adquirir novos pedaços de terra, expandindo a produção. Ele conta que além do tabaco, ele e a esposa também plantam produtos como milho e feijão para consumo próprio. Atualmente são 11 hectares de terra próprias com suas produções para negócios e consumo próprio e mais 16 arrendadas.

Tanto ele quanto a esposa são oriundos de família de fumicultores como o tabaco sendo, ainda hoje principal cultura da família. “Nós plantamos 100 mil pés de fumo. O que ainda dá mais na propriedade é o tabaco”, ressalta.

Um pilar da economia

De acordo com a Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo, o município possui mais de quatro mil produtores de tabaco, com uma produção média superior a 20 mil toneladas, sendo um dos principais pilares da economia local.

A prefeitura disponibiliza programas de subsídio e auxílio com o intuito de fortalecer a produção tabageira. O objetivo é auxiliar os produtores em questões técnicas e melhorias na própria propriedade para incentivar e contribuir com a produção local.

Alguns números mostram o tamanho da importância dessa produção para os canguçuenses. Nas últimas safras 2020/2021 e 2022/2023, Canguçu foi o município que mais produziu tabaco em todo país. Só no ano passado essa produção ultrapassou as 21 mil toneladas.

“Em resumo, o cultivo de tabaco se destaca por sua relevância econômica e, especialmente, pela qualidade de vida que proporciona às populações das áreas produtoras”, afirma o secretário Nilson Nuremberg.

O casal de produtores do 1º Distrito ressalta que algumas questões dificultam a produção porque influenciam no bolso, como é o caso do aumento de impostos e uma falta de reconhecimento. “Ninguém quer incentivar ninguém a fumar, tanto que o produto é majoritariamente exportado, isso gera lucro pro governo, mas gostaríamos de uma maior valorização da categoria”, afirma. Griep faz ressalvas sobre os preços dos produtos que chegam aos consumidores já que, por vezes, os próprios produtores ganham pouco sob suas produções, mas o preço no produto final torna-se alto, o que dificulta tanto a venda quanto a compra.

A família, que também é produtora de mel, conta que percebe essa diferença também nas demais produções. “Com relação ao mel mesmo, vemos essa grande diferença de preço também. A gente vende a sete reais o kg do produto, mas vemos no mercado ele sendo vendido até por 60 reais o kg. Sei que tem todo um custo para rotuladora mas é uma diferença enorme e aí o consumidor tem maior dificuldade em comprar o nosso produto”, opina.

Apesar das ressalvas, a produção do tabaco e de outras produções agrícolas é motivo de alegria para o casal. “Pra nós agricultura é tudo, porque é o que sabemos fazer, é no que sempre trabalhamos e com certeza é com o que seguiremos”, finaliza.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome