Em Arroio do Padre, expectativa de colheita da maçã é cerca de 120 toneladas

Produção de maçã é referência no município. Foto: Elvis Behling

Uma das atividades que mais recebe investimento em tecnologia e qualidade no Brasil iniciou, há cerca de 20 anos, através do pioneirismo do produtor Wilson Behling, na zona rural de Arroio do Padre. Por meio de parcerias como a Embrapa, a Universidade Federal de Pelotas e outras instituições, ele começou com uma plantação de 1 mil mudas da variedade Eva, a que melhor se adaptou e que também obteve bons resultados em Encruzilhada do Sul.

Na Colônia Oliveira, atualmente, a área de pomares possui em torno de sete hectares e as maçãs são comercializadas para toda a região. Além disso, a família Behling se dedica à produção de pêssego e ameixa, realizando investimentos no ramo de frutas, com implantação de sistema de irrigação, aquisições de câmara fria e de classificadora de frutas, entre outros.

A maçã conquistou espaço e se tornou referência no município, ganhando no ano de 2007, ao lado do caqui – outra fruta importante na economia municipal –, uma festa específica, realizada junto às comemorações do aniversário de emancipação e celebração das potencialidades locais.

Behling faleceu no ano de 2019, em decorrência de um câncer de pulmão, porém os sobrinhos André e Elvis Behling dão continuidade nas atividades nos pomares, levando o legado deixado pelo tio.

Safra
Com a aproximação da colheita, a expectativa é que as primeiras frutas sejam colhidas no início de janeiro, podendo chegar a cerca de 120 toneladas.

Para a safra, os produtores afirmam que o clima tem colaborado, pois enquanto a planta estava em dormência ocorreu frio. Ainda, durante a floração, houve pouca chuva, estando agora na medida dos índices pluviométricos para a boa formação e enchimento dos frutos.

Dentre as novidades, está a inserção ao Sistema de Rastreabilidade de Produtos Vegetais Frescos (Sisrast), no qual é possível postar os insumos utilizados no caderno de campo, assim como gerar etiquetas com QR Code.

“Vemos como, pois além de nos adequarmos às normas vigentes, o cliente vai ter a oportunidade de saber de onde vem o produto, qual ele está consumindo, trazendo, assim, mais segurança, confiabilidade e a certeza de estar adquirindo um produto saudável, produzido dentro das normas vigentes, com altíssima qualidade e frescor, do pomar para a mesa”, explicam.

O cadastro foi realizado com apoio do Escritório Municipal da Emater/RS-Ascar de Arroio do Padre.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome